Reportagem

Cuanza-Norte faz aposta no repovoamento animal

Manuel Fontoura | Ndalatando

A província do Cuanza-Norte dispõe de um efectivo pecuário estimado em 48.287 bovinos, sendo Cambambe o município com maior número, com 36.422 cabeças, das quais 36.000 pertencentes à Fazenda Pamado, com raças diversas incluindo búfalos, refere um relatório da Direcção Geral do Instituto dos Serviços de Veterinária (DGISV).

O número de cabeças de gado continua a aumentar na província do Cuanza-Norte onde os criadores são aconselhados a levar os animais à vacinação
Fotografia: Manuel Fontoura| Edições Novembro | Ndalatando

O município de Ambaca, segundo o mesmo relatório, possui 9.100 bovinos, dos quais 750 pertencentes ao sector camponês, sendo a fazenda Gemac a detentora do maior número, com 1.030 cabeças, 14.769 suínos, 14.145 ovinos e 53.764 caprinos.
A Fazenda Sonho Real, no município de Cambambe, detém o maior número de caprinos, com 677 cabeças, o restante pertence ao sector camponês, 202 equinos e 87.872 aves, com tendência de crescimento. Os animais de estimação estimam-se em 5.916, que representam 96 por cento dos canídeos.
De acordo com o relatório, a recolha de dados e informações vão permitir a elaboração e criação de Banco de Dados, sobre a produção e sanidade animal.
O relatório relata as actividades de rotina desenvolvidas, assim como a vacinação, tratamento, inspecção e fiscalização aos estabelecimentos comerciais e aos fazendeiros.
A província do Cuanza-Norte tem 24.110 quilómetros quadrados de superfície, com 17 pessoas/Km², dez  municípios, clima tropical húmido e grandes rios como Kwanza, Lucala, Cuzo, Samba, Quionga, Cajú, Mandambela, Luinga, Muembeje e uma dezena de riachos permanentes, sendo considerada um território bom para a actividade pecuária.
 
Produção de carne
Durante o ano de 2017, a produção de carne, tanto no sector tradicional como do empresarial, atingiu 222,7 toneladas, sendo 93,3 de carne bovina. O matadouro de Camabatela produziu 19,2 toneladas de carne bovina, 4,5 toneladas de carne de búfalo, 10,9 toneladas de carne caprina e 85 quilogramas de carne ovina.
A produção de ovos, segundo o documento, atingiu 601.350 unidades no sector tradicional e 48.755 no sector empresarial. A única unidade avícola de produção de ovos é privada e está localizada no município do Golungo-Alto, comuna de Cambondo, sendo que as unidades de produção avícola públicas encontram-se no município de Lucala, ambas paralisadas.
Os Serviços Veterinários  acompanharam a evolução do matadouro de Camabatela, concluído e ensaiado em 2015 e inaugurada em Agosto de 2017, com capacidade de abate de 250 cabeças de bovinos por dia e 150 caprinos, estando a funcionar plenamente, evitando deste modo que o gado seja abatido em locais clandestinos. Já o matadouro de aves em Lucala, cuja capacidade de abate é de 32.000 aves por dia, arrancou em Janeiro de 2016 e deixou de funcionar vinte dias depois. Neste momento as unidades de produção do Cuanza-Norte encontram-se sem aves.
A fábrica de ração arrancou em fins de Janeiro de 2016 e está em funcionamento, com uma produção de 400 toneladas mês, estando aquém da capacidade instalada, que é de 5.000 toneladas por mês.
No Cuanza-Norte, acrescenta o documento, existem criadores que se dedicam ao melhoramento dos pastos e forragens, cujas superfícies atingem mais de 252 hectares. Cerca de 121.394 hectares cobrem a superfície de pastos naturais, mas nenhum criador produz forragem (feno e silo), que é muito procurado no tempo seco.
O relatório revela ainda que os animais de grande e pequeno porte de produção pecuária estão em constante crescimento, tanto no sector tradicional como no sector empresarial.
      Entre os efectivos encontram-se raças exóticas e autóctones, com princípios de melhoramento de raças para manter o padrão zoogenético e zootécnico em criadores empresariais. Os galináceos, patos, avestruzes e os gansos também fazem parte do efectivo de aves.
 
Constrangimentos
 O maior constrangimento  insuficiência de pessoal técnico e administrativo e de meios de apoio aos técnicos, para responder e dar maior cobertura aos trabalhos em todos os municípios do Cuanza-Norte.
 O departamento dos Serviços de Veterinária possui apenas oito dos 48 funcionários necessários.
 O departamento dos Serviços de Veterinária apelou para a solução dos constrangimentos, sobretudo no que concerne á insuficiência do pessoal técnico e meios de apoio.  Propõe também a criação, a curto prazo, de postos de fiscalização veterinária nas três principais entradas da província do Cuanza-Norte, salvaguardando assim maior controlo de entrada de animais, visando reforçar as medidas de policiamento e de controlo zoosanitário no trânsito de animais, além da elaboração de um programa nacional de fomento de culturas e de pastos.

  Condições de sanidade entre as prioridades das autoridades locais

Quanto à situação zoosanitária, o relatório considera a situação estacionária em todos os municípios, embora existam alguns focos de dermatofilose (DPH) no município de Ambaca, uma situação já controlada graças à intervenção medicamentosa, à base de antibiótico feita pelos técnicos do departamento. No município de Ambaca, geralmente no tempo chuvoso, aumenta o índice de mortalidade de gado suíno e de aves dos criadores familiares.
Para abrandar estas ocorrências, o departamento dos Serviços Veterinários tem apoiado e recomendado medidas de prevenção sanitárias.
Durante o ano passado foram imunizados animais contra a PPCB, raiva, dermatite nodular e carbúnculos hemático sintomático.
Em relação ao fomento pecuário foram elaborados e apresentados dois programas à nível provincial, nomeadamente de “Caprinicultura e Avicultura”, aguardando resposta para a sua execução.
Está em execução o repovoamento do gado bovino no Planalto de Camabatela, onde foram distribuídos 100 bovinos de raça nelore, beneficiando assim cinco criadores da região de Ambaca, em 2012. Ainda à nível nacional, em 2014, no âmbito do repovoamento do gado bovino para o Planalto de Camabatela, a COOPLACA distribuiu 20 cabeças de gado bovino de raça bonsmara, beneficiando cinco criadores da região de Ambaca.

Tempo

Multimédia