Reportagem

Cuemba deixa para trás as sequelas

Sergio V. Dias | Bié

“A Independência desbravou caminhos que nos conduziram à paz, apesar de haver ainda sequelas dos 27 anos de guerra que o país enfrentou”. É com este discurso de esperança que a Administradora do Cuemba, Laurinda Capocolola, fala da nova era, a da paz, em que, terminado o conflito armado, os desafios e resultados são visíveis aos olhos de quem queira ver as maravilhas operadas.

Cuemba prioriza ligação com Sachinemuna e Luando
Fotografia: Santos Pedro | Edições Novembro

Fruto disso, o Município localizado a 168 quilómetros a Leste do Cuito, capital do Bié, conta hoje com novas infra-estruturas sociais, no quadro do Programa Municipal Integrado e de Desenvolvimento Rural de Combate à Fome e à Pobreza (PMIDRCFP).
De acordo com a responsável do Município, nestes 15 anos de paz e 42 de Independência Nacional, o Cuemba obteve feitos assinaláveis. Destacam-se, nesse domínio, ganhos a nível da Educação, da Saúde, da Energia e Águas, dos Transportes, da construção de pontes, da habitação e outros. “Por isso, vamos continuar a trabalhar na melhoria das condições de vida das populações do Cuemba”, assinala a Administradora Laurinda Capocolola.
Os fogos habitacionais acabam por renovar o Município. Tratando-se de um dos grandes compromissos do Executivo para melhoria da condição de vida da população angolana, Laurinda Capocolola advoga que se deve louvar a iniciativa porque muitos cidadãos, com maior destaque para jovens, concretizaram o sonho da casa própria. Em toda extensão do Cuemba foram construídas e distribuídas 100 habitações do tipo T3 na sede municipal, assim como dez na Comuna do Munhango e outras cinco na povoação de Cariata, que estão por concluir. Nas comunas Sachinemuna e Luando ainda não se deu início ao processo de construção de habitações sociais. Já no concernente às reservas fundiárias e à auto-construção dirigida, como solução para continuar a promover a melhoria da qualidade de vida, observa-se no Município um certo rigor da Administração.
A população tem solicitado parcelas de terra para construir casas, melhorando desta feita a sua qualidade de vida e contribuindo para a modernização da imagem do Município. Vários projectos estão em carteira e uma vez concluídos hão-de todos de oferecer vantagens para a população do Cuemba.
É desejo da Administração Municipal, segundo Laurinda Capocolola, ver todos eles concluídos ainda este ano. Porém, devido à conjuntura socioeconómica que o país atravessa, tem havido alguns embaraços.
Uma das soluções que Administração do Cuemba pretendia ver equacionada está relacionada com o melhoramento das vias de acesso ao Município. Nesse sentido, consta como prioridade a construção da Estrada Nacional nº 250, que liga a comuna do Munhango ao Município vizinho de Camacupa.
A reabilitação das estradas que ligam a sede municipal às comunas de Sachinemuna e Luando, a construção da Barragem Hidroeléctrica e a conclusão das obras do Hospital Regional do Cuemba assumem-se como outras prioridades.
Relativamente ao sistema de tratamento e captação de água, o melhoramento do abastecimento de energia eléctrica e a terraplanagem do troço rodoviário entre Cuanza e Cuemba são empreitadas que podem ser materializadas ainda este ano.
O Regedor-Adjunto do Cuemba, Bernardo Mussele, disse que as novas infra-estruturas em curso na circunscrição demonstram o grande empenho do Governo Central e do Bié em melhorarem as condições básicas de vida.
 
Acções de desminagem

As acções de desminagem da rodoviária Camacupa/Cuemba, circunscrito à Estrada Nacional nº 250, bem como os acessos para as comunas de Sachinemuna, Luando e Munhango despontam também como tarefas prioritárias.
“A desminagem facilitaria a reabilitação desses troços, pois tão logo se efective reduziria o sofrimento das pessoas que nelas circulam. Seria muito bom se fosse feito um trabalho paliativo no troço rodoviário que parte de Cuiva/Massanda para a sede do Cuemba, de modo a mitigar os embaraços de quem por ali passa”, referiu Laurinda Capocolola. Quanto ao combate à fome e à pobreza, uma das bandeiras do Executivo Central para melhorar a vida das populações, este está a ser desenvolvido com diversas acções. Nessa perspectiva, a agricultura destaca-se. As cooperativas criadas no Município e a produção familiar são apoiadas com meios apropriados.
 
Educação e Saúde


Os cuidados primários de saúde trazem consigo enormes benefícios para a população, desde a aquisição de para os medicamentos para os postos e centros de saúde às campanhas de vacinação. No domínio da Educação, no presente ano lectivo estão integrados no sistema de ensino do Cuemba 20.066 crianças. A cifra não satisfaz a procura de alunos matriculados para o universo de professores existentes, porque há ainda muitas crianças fora do sistema de ensino, com maior destaque para as comunas do Luando e Sachinemuna.
Existem aldeias em que os professores chegam a leccionar em turmas com mais de 60 alunos. Há também aldeias em que estes se vêem obrigados a dar aulas da Iniciação à 2ª ou a 3ª Classe sozinhos, face à escassez de quadros no sector.

  Vários serviços em acção

O acesso
a esta região do Corredor Leste do Bié fica hoje facilitado graças à circulação do comboio. Em termos de serviços de fornecimento de energia para os munícipes, o quadro vai sendo assegurado graças à intervenção do Governo e da Sociedade de Combustíveis de Angola (Sonangol), que se têm encarregado do fornecimento do gasóleo e gasolina. Quanto ao abastecimento de água, está em curso um grande programa de âmbito nacional que visa a captação e fornecimento do precioso líquido à população do Cuemba.
 
Sector do Turismo

O Município do Cuemba conta com vários atractivos, com realce para as quedas de água do Luando e do Cuando. A questão das comunicações, à semelhança de outros pontos da Província, é outro forte do Cuemba  que também está projectada com  cobertura, neste domínio, da região. As operadoras Unitel e Movicel, bem como a Televisão Pública de Angola (TPA) e a Rádio Repetidora vão sendo a alternativa para os munícipes.
 
Concursos públicos

As cifras de diversos concursos para o acesso à Função Pública distribuídas ao Cuemba, com particular realce para os sectores da Educação e Saúde, têm sido um calcanhar-de-aquiles para os munícipes. As autoridades da região clamam, nessa ordem de ideias, pela atribuição de números mais significativos, para aliviar a escassez que hoje estes dois sectores enfrentam nesta circunscrição fundada a 18 de Janeiro de 1964, de acordo a publicação do “Boletim Oficial número 3/64” da Reforma Administrativa Ultramarina.

Tempo

Multimédia