Reportagem

Escassez de gasóleo trava desempenho

Carlos Paulino |

A província do Cuando Cubango está a registar nos últimos dias uma escassez acentuada de combustível (gasóleo), situação que está a se reflectir negativamente no desempenho das instituições públicas e privadas sedeadas na cidade de Menongue que, por este motivo, estão privadas de energia eléctrica.

Falta de combustíveis atrapalha o normal funcionamento das instituições
Fotografia: Edições Novembro |

De acordo com a PRODEL (instituição vocacionada na produção de energia), se se mantiver o problema de abastecimento de gasóleo, a central térmica de Menongue pode paralisar a qualquer momento.
Actualmente, a central está equipada com sete geradores de 1.3 megawatts, dois dos quais estão avariados. Em funcionamento, cada gerador consome trezentos e cinquenta (350) litros de gasóleo e a PRODEL recebe apenas 35 mil litros, insuficientes para alimentar as cinco máquinas durante 24 horas.
Para um funcionamento razoável são necessários 50 mil litros de gasóleo por  dia,  para que os cinco geradores possam trabalhar ininterruptamente e garantir energia eléctrica aos cerca de 8.600 consumidores.
Por este motivo a PRODEL e a ENDE elaboraram um plano de contingência e de restrições no fornecimento de energia eléctrica à população.
No período diurno, das 6 às 17 horas, a PRODEL funciona apenas com geradores que juntos produzem 2,6 megawatts. Das 18 as 6 horas da manhã, considerado como a hora de ponta, trabalham os cinco grupos geradores e geram cerca de sete megawatts, para o sistema de iluminação pública e caseira, mas também se têm mostrado insuficientes por causa do crescimento da cidade.
Durante o dia, a ENDE prioriza apenas o fornecimento de energia eléctrica aos Postos de Transformações (PT) do Governo da Provincial, Palácio do governador, Hospital-Geral, Maternidade Provincial, Hospital Pediátrico, central de captação e tratamento de água potável, Aeroporto Comandante Cuenha e da Televisão Pública de Angola (TPA). 
Procurou-se saber junto da  direcção local da Sonangol logística o que estaria na origem da escassez de combustível e, sobretudo do gasóleo, na província do Cuando Cubango, mas não se  teve qualquer sucesso, porque um dos responsáveis alegou tratar-se de um problema que estaria a  acontecer a nível do país e que não  seria  da sua competência falar  sobre o assunto.
 
Fraca produção de energia

O director do centro de distribuição da ENDE no Cuando Cubango, Rui Paixão, disse que a energia eléctrica que a sua instituição está a receber da sua congénere PRODEL é muito inferior para cobrir a cidade de Menongue e que por esta razão está a se registar muitas restrições.
Rui Paixão realçou que o actual plano de restrições obriga a ENDE a tentar ser o mais equilibrado possível na distribuição de energia, para que as pessoas não ficam muito tempo sem o fornecimento da corrente eléctrica.
 “Neste momento, a ENDE está com muita dificuldade para lidar com esta situação, tendo em vista que diariamente muitos clientes aparecem nas nossas instalações reclamando da falta de energia eléctrica no seu bairro ou na sua casa, mas que não podemos fazer nada em função da fraca capacidade de produção a partir da PRODEL”, lamentou.

Geradores avariados
A situação agrava-se ainda mais pelo facto de dois, dos sete grupos geradores da central térmica de Menongue, estarem neste momento fora de serviço, porque um grupo gerador danificou o motor desde 2015 e outro aguardar-se a mais de dois meses por alguns acessórios a partir do exterior do país para a sua manutenção.  
Para uma cidade como a de Menongue, que registou nos últimos tempos um crescimento significativo em termo populacional e habitacional, os seis megawatts que são produzidos actualmente não chegam para beneficiar todos os clientes 24 horas ao dia.
Para suprir o actual défice de fornecimento de energia eléctrica na cidade de Menongue, a ENDE precisaria de pelo menos uma produção de 15 megawatts que poderia permitir uma gestão mais consentâneo no que toca a distribuição.
“Nesta condição que nos encontramos fica muito difícil satisfazermos as necessidades da população. Por este facto, há clientes que ficam mais de dois ou três dias sem energia eléctrica por causa das restrições que estamos a efectuar devido o défice de produção”, disse.   
O centro de distribuição da ENDE pede sinceras desculpas a todos os clientes da sua instituição e a população em geral de Menongue pelas falhas constantes que se registam neste momento no fornecimento da energia electrica na sede capital da província do Cuando Cubango.
Enquanto durar esta situação, as pessoas devem pautar por um consumo de energia estritamente necessário, apagando as lâmpadas nos compartimentos vagos, desligando os aparelhos ligados desnecessariamente, dentre outros comportamentos que ajudam a racionalizar este serviço.

                                                                           Empresas paralisadas
O vice-governador para os serviços Técnicos e Infra-estruturas, Bento Francisco Xavier, disse que esta situação, principalmente da restrição de energia eléctrica no período diurno, está a contribuir negativamente para a paralisação do funcionamento da maioria das empresas públicas.
Sem o fornecimento de corrente eléctrica, as empresas estão praticamente fechadas, porque os trabalhadores não conseguem fazer nada com os equipamentos desligados, uma vez que se vive num mundo totalmente globalizado e que a maioria dos serviços são feitos a partir dos computadores.
Nesta situação, é fornecida energia eléctrica aos serviços provinciais do Instituto Nacional da Defesa do Consumidor e a Direcções do Comércio, Hotelaria e Turismo, da Industria, Geologia e Minas, da Assistência e Reinserção Social, da Administração Pública Trabalho e Segurança Social, das Edições Novembro, Agência Angola Press (ANGOP), das Obras Públicas, Tribunal Provincial e Justiça Militar, das 18 até as seis ) horas da manhã.
“Muitas empresas públicas e privadas para trabalharem têm que ter um gerador alternativo para que as suas portas não ficam fechadas, porque não existe neste momento combustível suficiente para colocar a funcionar os cinco grupos geradores da central térmica 24 horas ao dia”, disse.
Bento Francisco Xavier garantiu que por este facto o Governo Provincial está a envidar esforços junto da Sonangol para que se possa voltar a fornecer diariamente os 50 mil litros de gasóleo a PRODEL.
O Governo Provincial está igualmente a envidar esforços para que as obras de construção da nova central térmica de turbina a gás que vai ter uma capacidade instalada de 50 megawatts sejam concluídas o mais breve possível, no sentido de acabar com o problema de fornecimento de energia eléctrica em Menongue.

Pagamento de energia
O chefe dos serviços provinciais do INADEC, Manuel Mateus, manifestou-se seriamente preocupado pelo facto de circular algumas informações que as pessoas mesmo não beneficiando do fornecimento de energia eléctrica 24 horas ao dia, estão a ser obrigada a pagar este serviço como se estivessem a usufruir regularmente.
Esta situação deve-se também em grande medida pelo facto de muitos clientes não ter um contador eléctrico nas suas residências e que pagam a energia mensalmente consoante a um valor estipulado pela ENDE, de acordo com os electrodomésticos que possuem.
O chefe dos Serviços Provinciais do INADEC apelou a todos os cidadãos que se sentirem lesados ou forem obrigados a pagar um valor que não corresponde com a energia que consumiu na sua residência ou na empresa a se dirigir na instituição que tem o direito de defender o consumidor.

Tempo

Multimédia