Reportagem

Fiéis em peregrinação a Pungo Andongo

Venâncio Víctor | Malanje

Na Missão Católica de Cacuso os fiéis estão empenhados na mobilização e nas condições espirituais e materiais para a peregrinação. Aguarda-se a presença de pesquisadores, historiadores, amigos do Pungo a Ndongo e de todos quantos querem desfrutar o encanto e a maravilha da região.

Fotografia: Vigas da Purificação | Edições Novembro

O município de Cacuso, Malanje, acolhe amanhã e domingo a quinta edição da peregrinação anual ao santuário de Nossa Senhora do Rosário, na histórica  comuna de Pungo a Ndongo, que decorre sob o Lema “ Nossa Senhora do Rosário do Pungo a Ndongo Guarda Angola na Paz e no Progresso”.
O santuário, com uma capacidade para cinco mil pessoas, vai receber devotos oriundos de diversos pontos do país,  disse ao Jornal de Angola o reitor do Santuário de Nossa Senhora do Rosário,  padre Figueira Bumba, que assegurou estarem criadas todas as condições para a realização  da peregrinação anual ao local santo.
Os fiéis estão empenhados na mobilização e na criação de condições espirituais e materiais para a acomodação condigna dos peregrinos.
Figueira Bumba disse ser importante a presença de historiadores na peregrinação para pesquisarem elementos relacionados com Pungo a Ndongo,   um local de veneração histórica, símbolo da resistência contra a ocupação colonial e centro da fé cristã.
Figueira Bumba disse esperar  que a presente edição ultrapasse  a peregrinação do ano passado, que contou com a presença de mais de cinco mil peregrinação.
O programa de actividades no Santuário de Nossa Senhora do Rosário, presididas pelo arcebispo da Arquidiocese de Malanje, Dom  Benedito Roberto, contempla a celebração, no período matinal,  da santa eucaristia, a oração do rosário até ao cume das majestosas Pedras Negras de Pungo a Ndongo,  às 15h00 de sábado.
 Vai haver uma procissão de velas com a imagem de Nossa Senhora do Rosário desde a capela até ao local onde estão patentes as pegadas da Rainha Njinga Mbande. A peregrinação ao Santuário de Nossa Senhora do Rosário encerra no domingo, com a realização de uma oração de laudes e de um  culto solene de eucaristia, na presença de mais de 300  autoridades governamentais e tradicionais, bem como convidados.
O reitor destacou o apoio das autoridades governamentais da província, sobretudo no que diz respeito ao abastecimento de água através de cisternas. 

Segurança policial
Um total de cem efectivos dos   órgãos do Comando Provincial da Polícia Nacional está mobilizado para garantir a segurança ao santuário, disse o director provincial de Malanje da Ordem Pública em exercício, superintendente José Dawila, que aconselhou  os automobilistas a serem prudentes e a evitarem o excesso de velocidade e condução sob o efeito de álcool.
O responsável da Polícia Nacional em Cacuso, intendente Tito Fumanhi, considerou como  estável a situação da criminalidade na região, destacando a colocação de dispositivos nos troços considerados críticos e a realização de acções de patrulhamento auto de 15 viaturas na comuna desde o desvio do Quitexe até ao Kazamba,  o ponto mais alto de Pungo a Ndongo, para facilitar a mobilidade dos fiéis. O Instituto Nacional de Emergências Médicas (INEMA) garante colocar à disposição dos peregrinos 20 médicos, emais de 30 infermeiros e um posto médico fixo, que funciona em articulação com o Hospital Municipal de Cacuso, disse o director em exercício Edgar Manuel.

Local de veneração histórica
O local onde se situa o Santuário de Nossa Senhora do Rosário existia  antes do cristianismo e da ocupação colonial, como local onde a população expressava  a sua fé, com súplicas à saúde, à protecção, à prosperidade e protecção divina dentre outros.  No local podem ser encontrados  os escombros do santuário anterior à ocupação colonial, conforme fez questão de realçar o reitor do Santuário. O Santuário de Pungo a Ndongo é considerado   o berço do Catolicismo  no Leste de Angola, marcado pela chegada dos primeiros missionários italianos “ Capuchinhos” ao Leste de Angola.
O padre Figueira Bumba anunciou a existência de projectos de requalificação da antiga capela do Santuário de Nossa Senhora do Rosário.
Aos estudiosos o padre Figueira Bumba pediu para aproveitarem a oportunidade de participar na peregrinação   para recolherem  dados sobre o passado  de Pungo a Ndongo.

Referência colectiva

A Igreja Católica em Malanje quer fazer de Pungo a Ndongo um santuário de referência  onde os cidadãos possam manifestar a sua fé em Cristo, anunciou  o arcebispo da Diocese local, Dom Benedito Roberto. A pretensão, disse o prelado, deveu-se ao facto de em tempos idos o local ter sido o ponto de concentração dos antigos missionários de passagem em direcção ao Leste do país. “Pungo a Ndongo é uma terra de fé, como  Malanje, referindo e a província só seria pobre caso não tivesse um ponto de referência colectiva ou que manifeste a sua fé em Deus através da Virgem Maria, Mãe de Jesus”. 

Santuário está inscrito para ser classificação como património histórico mundial

Para o padre Pedro, chanceler da Arquidiocese de Malanje, o Santuário do Pungo a Ndongo “é um lugar tido como  o mais antigo   da actual Arquidiocese de Malanje onde se  instalaram pela primeira vez os missionários católicos”. A capela, lembrou, foi construída na década de 1980, constituindo o primeiro lugar de evangelização onde se instalaram os primeiros missionários da Igreja Católica, também designados por "Capuchinhos", oriundos de Itália, de viagem em direcção ao Leste de Angola. O valor histórico e espiritual do local, de acordo com o chanceler da Igreja Católica, está  narrado em vários livros. A comuna de Pungo a Ndongo é considerada o berço do Metodismo por ter sido  o local onde se instalaram os primeiros missionários metodistas na localidade de Quiongua. A região sobressai das demais da província de Malanje pelas suas potencialidades agrícolas e turísticas, devido às famosas formações de pedras como as Pedras Negras de Pungo a Ndongo no município de Cacuso,  que  podem ser classificadas  como património cultural nacional,  revelou o director provincial da Cultura, José da Costa Gaspar.
Até ao principio deste ano, as Pedras Negras de Pungo a Ndongo estavam em vias de serem  classificadas como património  histórico no âmbito das celebrações do Dia Mundial  dos Monumentos e Sítios, que decorreu sob  o Lema “Património Turismo Sustentável". A zona paisagística vai continuar a merecer a atenção do Governo Provincial de Malanje, o que vai contribuir para a valorização dos traços culturais da imponente região da Palanca Negra Gigante.

Tempo

Multimédia