Governo selecciona obras para 2017

Carlos Paulino | Menongue
7 de Janeiro, 2017

Fotografia: Nicolau Vasco | Menongue-Edições Novembro

A conclusão de 46 infra-estruturas de impacto social é a principal aposta do Cuando Cubango para 2017. Afectadas pela crise económica mundial, as obras pararam, mas o governo provincial decidiu dar prioridade no Programa de Investimentos Públicos (PIP) para este exercício económico.

O vice-governador da província para os Serviços Técnicos e Infra-estruturas, Gabriel Gastão, indicou, entre as prioridades a conclusão dos hospitais municipais do Calai e de Mavinga e a construção de uma nova casa mortuária em Menongue. A actual, com capacidade de conservar apenas 14 corpos, é insuficiente para suportar o índice de mortalidade na região.
Gabriel Gastão disse ao Jornal de Angola que constam ainda das prioridades a construção de uma ponte no troço Rivungo/Luengue e outra entre Mavinga/Cubia-2, assim como o porto fluvial na comuna do Savate, Liavela, Rito e Calai. Este ano, aposta-se também na edificação de um internato no Instituto Médio Agrário do Missombo, em escolas de 16 salas de aula no Calai, Soba Matias e Cuelei, e de 12 salas no Dirico, Caiundo, Cuchi, Mavinga, Cuito Cuanavale, Savate, sede municipal do Cuangar e do Rivungo, Luiana e no bairro Saprinho.
Está agendada também a conclusão de escolas de seis salas de aula nas localidades de Chancara, Yaro e Temuangue (Dirico), bairro Tomás, sede comunal do Caiundo e do Jamba Cueio (Menongue), Jamba, Tchipundo e Chonhana (Rivungo), Cambumbu e Mussani (Cuangar), Licua e no bairro Rivungo (Mavinga), Saminquiti e Satchingala (Cuito Cuanavale), bairro Liquixi (Nancova), bairro Damo Damo (Calai), Mingungu, Muleque Ponte e Tchinguandja (Cuchi).
Gabriel Gastão referiu que o governo provincial inscreveu ainda no Programa de Investimentos Públicos para este ano a cnclusão do asfaltamento da estrada de cinco quilómetros entre o bairro Saúde e a Missão Católica.
A maioria das 46 obras fica pronta no segundo semestre deste ano, pois estão concluídas em mais de 50 por cento.
Além das obras do PIP, a província prevê ganhar também alguns projectos de subordinação central, com destaque para a construção da nova central térmica de Menongue, com capacidade de 20 megawatts, a edificação de 100 casas sociais e o reinício das obras do hospital no município do Cuito Cuanavale.
Está ainda prevista a expansão da rede de distribuição de água potável a alguns bairros periféricos do Menongue. A central de captação, tratamento e distribuição de água do Menongue, inaugurada em 2015, com capacidade de bombear 11 mil metros cúbicos por dia, está a ser explorada a menos de 50 por cento e por isso urge expandi-la.
O governo provincial esperava que o Orçamento Geral do Estado (OGE) deste ano cobrisse a construção de mais infra-estruturas sociais, mas os 27 mil milhões de kwanzas a  serem disponibilizados servem para suportar, sobretudo, gastos das administrações municipais e nos sectores da Educação, Saúde, Assistência Social e pagamento de salários.

Centralidade do Menongue


O vice-governador para o Sector Técnico e Infra-estruturas anunciou que a empresa Imogestin prevê iniciar, este ano, a construção da centralidade do Menongue, cuja primeira fase inclui mil residências com apartamentos do tipo T-3 até T-5.
A centralidade localiza-se numa área de 100 hectares, junto ao bairro Tucuve, e algumas residências vão-se situar nas margens do rio Kwebe, na cidade do Menongue, com prédios de até cinco andares.
O governante acrescentou que, devido à densidade populacional do Menongue, com cerca de 321 mil  habitantes, a Imogestin pretende começar com a construção de mil casas e aumentar esse número consoante a procura, pois existe espaço suficiente na circunscrição.
Gabriel Gastão realçou que, além da centralidade, o Ministério do Urbanismo e Habitação vai ceder terrenos para auto-construção dirigida em alguns bairros periféricos da cidade  Menongue.
Essas zonas dispõem dos principais serviços sociais básicos, como escolas, postos de saúde, fornecimento de água potável e de energia eléctrica. “Estes dois projectos já são uma realidade para execução ainda este ano”, garantiu. Já aprovados pelo Executivo, aguardam apenas a disponibilidade dos recursos para arrancar.

Estrada Bondo-Caíla/Mucusso

O vice-governador anunciou também que uma empresa alemã “Galf” vai, este ano, investir na construção da estrada Bondo-Caíla/Mucusso, num percurso de 300 quilómetros, empreitada já publicada no Diário da República.
Um concurso público realiza-se na cidade de  Menongue para adjudicação da empreitada a uma empresa de construção civil.
A empresa Galf prevê o retorno do valor a investir através da cobrança de portagens no troço de acesso à fronteira da comuna do Mucusso com a Namíbia.
Gabriel Gastão salientou que, além do troço Bondo-Caíla/Mucusso, a empresa negoceia com o Ministério da Construção a intervenção na estrada Caiundo-Catuitui, visto que as obras adjudicadas em 2008 estão por concluir.

Troços paralisados

O Governo Provincial do Cuando Cubango insiste junto do Executivo para começar, ainda este ano, a construção dos troços Caiundo-Catuitui e Cuchi-Cutato, devido à importância que detêm no desenvolvimento da região.
O vice-governador lamentou que o troço Caiundo-Catuitui esteja ainda por concluir, embora tenham sido pagas somas avultadas, na ordem dos 80 por cento. A obra está abandonada, afirmou.
Em termos de estradas, apontou como pricipal prioridade do Governo Provincial do Cuando Cubango a construção de quatro mil quilómetros, com realce para os troços Cuito Cuanavale/Mavinga/Rivungo,Rivungo/Jamba/Buabuata/Bico de Angola, Cuito Cuanavale/Nancova, Mucusso/Dirico e Caiundo/Cunene.   “Com estes quatro mil quilómetros de estradas construídas, teríamos um Cuando Cubango diferente do ponto de vista económico e demográfico”, garantiu.
Gastão frisou que a distância entre os municípios no Cuando Cubango é maior do que a existente entre algumas províncias do país. Por esse facto, algumas sedes comunais e até mesmo municipais são confundidas com quimbos.

Busca de financiamento

O vice-governador disse ainda que as autoridades da província pretendem que alguns dos projectos sejam incluídos pelo Executivo nas linhas de financiamento da China, Espanha, Namíbia e Brasil.
Pela experiência adquirida pelo Brasil, sublinhou, o governo provincial pretende buscar financiamentos para o fornecimento de energia fotovoltáica nas zonas rurais. A República da Namíbia, espera o contrato para a terraplanagem de troços entre as sedes municipais, comunas e aldeias.
A China e a Espanha beneficiam projectos nos sectores da Energia e Águas, Agricultura e Saúde. O governo local pretende reforçar a construção de infra-estruturas.
A província do  Cuando Cubango possui um grande potencial para investimentos em muitos sectores, sobretudo, nas áreas de geologia e minas, agro-pecuária, hotelaria e turismo e comércio.

capa do dia

Get Adobe Flash player




ARTIGOS

MULTIMÉDIA