Reportagem

Humpata aposta na produção alimentar

Arão Martins | Lubango

O fomento e a melhoria da qualidade de produção de 3.155 famílias com a prática de hortofrutícola, com a reabilitação das barragens das Neves e Bangolo, constitui prioridade da Administração Municipal da Humpata para aumentar as áreas de regadio de 0,7 para 1,5 hectares por família, na comuna-sede, Palanca, Neves, Kaholo e Bata-Bata.

Melhorar e aumentar a produção com apoio às famílias camponesas
Fotografia: Arão Martins | Edições Novembro

A administradora municipal da Humpata, Paula Nassone, disse ao Jornal de Angola que, até 2022, as autoridades administrativas planificaram incluir no programa de cultivo  4.733 hectares, com a reabilitação das barragens das Neves e Bangolo.
Os projectos criados para o município visam aumentar as áreas de irrigáveis de 1.400 hectares para 2.800 hectares, ao longo da extensão da barragem e canal de irrigação das Neves.
A reabilitação das barragens permite, além de fomentar e melhorar a qualidade da produção intensiva das famílias, proporcionar o abeberamento a cerca de 18.000 animais até 2022.
O Plano de Desenvolvimento da Província  e o Programa Municipal Integrado de Desenvolvimento Rural de Combate à Fome e à Pobreza, no quadro dos seus programas e subprogramas, dá prioridade às acções de apoio ao desenvolvimento local, com ênfase para o incentivo à produção agropecuária.
Foi elaborado o plano de desenvolvimento económico local, com acções específicas a ser desenvolvidas a curto e médio prazo.
A correcção de solos e análise pós-colheita, a aquisição e distribuição de inputs agrícolas e a introdução de sistemas de irrigação gota-gota estão a ser consideradas, disse a administradora Paula Nassone.

Mangas de vacinação
A construção de duas mangas de vacinação e dois tanques banheiros, um no Alto Bimbi, Neves, e na localidade de Ndundualumbe, comuna da Bata-Bata, consta no projecto.
O fortalecimento da capacidade organizacional das associações e cooperativas de camponeses, com acções de formação, assistência técnica sistemática continua, legalização e delimitação de terras comunitárias também está inserido no programa.
A delimitação e legalização de terras comunitárias nas localidades de Ruival, Vilele, Hoca e Jamba, bem como a implementação de um plano de formação, formação nas associações de camponeses são as acções tidas como prioritárias.
É ainda prioridade a construção de um viveiro municipal no bairro do Hongo para a produção de plantas, o incentivo à produção, o cultivo de produtos de maior valor comercial e a redefinição participativa das formas de concessão de crédito e reembolso comunitário.
A administradora municipal da Humpata anunciou  a criação de uma associação de irrigação no perímetro das Neves. A construção de três chimpacas e duas represas são acções prioritárias da Administração Municipal da Humpata, 22 quilómetros a oeste da cidade do Lubango.

Linha estratégica
Na linha estratégica de desenvolvimento económico da Humpata dá  primazia a acções que visam facilitar a circulação de pessoas e bens, com a reabilitação das vias secundárias, num total de 105 quilómetros, que ligam a sede municipal às comunas do Alto Bimbi, num percurso de 35 quilómetros, Bata Bata 42, a quilómetros da sede das Neves, para beneficiar mais de 60 mil pessoas e a atracção de mais turistas até 2022.
Para minimizar o mau estado de algumas estradas, segundo a administradora, até 2018, a meta é atingir 35 quilómetros de estradas terraplenadas e  criar uma brigada de reabilitação e manutenção das vias secundárias e terciárias.
Reabilitar e requalificar os três pontos turísticos da Fenda do Alto Bimbi, das grutas do Nondimba e Miradouro da Serra da Leba são outras acções indicadas como prioritárias pela administradora municipal da Humpata, Paula Nassone.
No município vai criar-se um centro de armazenamento e conservação dos produtos agropecuários de 3.155 famílias do município da Humpata até 2019. A  instalação de uma  estação eléctrica com cerca de 50 quilómetros de linha de transporte, na linha Humpata (Huíla) e Bibala (Namibe) vai beneficiar três novas unidades de produção, conservação e transformação.
A Administração Municipal da Humpata vai incentivar o surgimento de pequenas indústrias de transformação dos produtos agropecuários, tais como frutas, carne, pele e chifres.
Uma das preocupações constantes dos munícipes é o incentivo ao transporte dos produtos agropecuários para o centro de armazenamento e a conservação dos produtos agropecuários, associações de camponeses e produtores no geral.

Descentralização

Em 2008, o município da Humpata foi um dos 68 municípios a nível do país seleccionado para dar início ao processo de desconcentração e descentralização da Administração Pública, por meio da implementação do Programa de Intervenção Municipal.
A administradora municipal da Humpata,Paula Nassone, esclareceu que, enquanto unidade orçamental independente, o município implementou um vasto conjunto de novos projectos e infra-estruturas, que contribuíram para o seu desenvolvimento socioeconómico.

Combate à fome e à pobreza

À luz dos Despachos Presidenciais sobre o Programa Municipal Integrado de Desenvolvimento Rural e Combate à Fome e à Pobreza (PMIDRCFP) foi possível criar uma estratégia que visou  erradicar a fome e a pobreza com políticas de carácter  imediato, com a construção de infra-estruturas de apoio ao sector económico e produtivo e acções de âmbito formativo.
Com o ganho, as comunidades locais beneficiaram de apoio com a distribuição de inputs, calcário dolomítico para correcção dos solos. “A elaboração das linhas estratégicas de desenvolvimento económico local dos municípios, enquadra no eixo de descentralização e desenvolvimento 2015-2025, cujo objectivo é incentivar o empreendedorismo e o investimento focados no potencial estratégico de cada província."
O município da Humpata apresenta um forte potencial agropecuário, devido às condições hídricas e edafo-climáticas que possui, que tem facilitado a produção de matérias-primas utilizadas nas unidades industriais do município.
“A implementação no futuro de acções previstas nos instrumentos de planificação e orçamentação legislados a nível municipal para o sector económico e produtivo, procuramos contribuir para o fomento e melhoria da produção agropecuária de 235 famílias camponesas, 28 associações e duas cooperativas agrícolas, até 2022”, indicou Paula Nassone.
Actualmente o município da Humpata sente a influência da cidade do Lubango, devido à sua proximidade.
“São significativas as actividades do sector secundário e terciário que envolvem um elevado número de pessoas e uma diversidade de produtos e serviços.

Tempo

Multimédia