Reportagem

Instituição aposta na formação de quadros

Francisco Curihingana

A Escola Superior Politécnica de Malanje existe na província   desde 2011, o que permitiu  o lançamento no mercado de trabalho de   419 licenciados.

Escola Superior Politécnica de Malanje é uma referência nacional em áreas ligadas às ciências e conta com novos cursos e docentes que vão melhororar cada vez mais a qualidade do ensino
Fotografia: Eduardo Pedro | Malanje | Edições Novembro

Deste número, cerca de 205 estão a defender as suas teses podendo vir a fazer a graduação em Abril, culminando com a entrega dos respectivos  diplomas.
O director Francisco Jacucha disse que a instituição é o espelho do ensino superior, uma referência nacional nas áreas de ciências sociais, humanas  e ciências da natureza, “Esta é a visão  que se pretende ter até terminarmos as metas a que nos propusemos atingir. Traduz-se também na ambição da escola em que se desenvolve, apoiando-se no potencial de todos os seus recursos, reafirmando o seu papel psico-social ou seja, o papel reservado à formação do homem novo”, disse.
Em 2011 disse Francisco Jacucha, a escola enfrentou   dificuldades, o que esteve na base de começar com apenas dois cursos, ou seja, o de Pedagogia e o outro de Matemática. Superadas as dificuldades, foram incrementados outros novos cursos, nomeadamente os de Psicologia e Sociologia, bem como o de Turismo e Hotelaria, para dar resposta à demanda da juventude local.
O curso de Turismo e Hotelaria   é ministrado por docentes cubanos  com excepção das disciplinas de língua portuguesa e História de Angola que conta com docentes angolanos. “Se as condições permitirem vamos nos próximos anos  adicionar  cursos na medida em que formos tendo possibilidades e condições de alojamento dos professores”, disse Francisco Jacucha.
 
Vagas para o ano académico
 
No presente ano académico, a instituição disponibilizou 45 vagas por cada curso, mas como disse, esses números podem variar em função de algumas situações internas que forem encontrando em função da demanda.
A escola fez algumas inovações ao estender o processo das inscrições para os restantes municípios da província no sentido de permitir que os jovens residentes nas diferentes localidades da província tenham a possibilidade de se inscrever e frequentar o ensino superior.
Na Escola Superior Politécnica de Malanje são ministrados os cursos de Pedagogia, Matemática, Psicologia, Sociologia e Hotelaria e Turismo.
 
Alargamento de opções
 
Existe a intenção de alargar o leque de cursos na Escola Superior Politécnica de Malanje. Francisco Jacucha disse à nossa reportagem que o não alargamento  deve-se à falta de instalações. “Outros cursos não são implementados por falta de instalações. Isso faz com que haja  essa condicionante. Até agora, nós funcionamos em instalações impróprias, são instalações emprestadas, essas instalações são do ensino geral, portanto, há um projecto a nível central e do governo local, que é a criação do Campus Universitário cujos projectos já foram concebidos. Pensamos que tão logo a materialização do Campus Universitário seja uma realidade, poderemos ter essa possibilidade de termos todos esses cursos e pensarmos também nas outras pós graduações”, sustentou.
 
Condicionante
 
A sua aplicação prática vai depender da normalização da actual situação económica que o nosso país está a atravessar, afectada pela queda dos preços do petróleo no mercado mundial. “Com a crise que o país enfrente, pensamos não ter assim um horizonte tão breve que sejam materializadas essas intensões já já, mas, há esforços neste sentido de forma que possam se materializar os estudos”, disse. Francisco Jacucha disse que as aulas vão continuar a ter lugar nas instalações actuais, com a  limitação dos cursos para permitir a criação de condições técnico-pedagógicas e científicas, para que o ensino seja concretizado com qualidade.
 
Falta de professores efectivos
 

A escola já é orçamentada desde o ano de 2015, o que garante a liquidação das despesas correntes da instituição desde o pagamento de salários dos professores que na sua maioria trabalham em regime de contrato. Francisco Jacucha referiu que a instituição está com uma dificuldade grande no que toca ao Quadro Efectivo próprio e acrescentou que desde a criação da instituição, não foi efectivado nenhum concurso público para permitir enquadrar todo o pessoal docente nas suas devidas funções.
“Neste caso, o pessoal  é todo contratado. Não temos professores efectivos, todos são colaboradores e nós agora como o número é diversificado, em cada ano contratamos novo pessoal.  Através do orçamento, há uma rubrica sobre os contratados e com a rubrica despesas de bens e serviços, fizemos os pagamentos dessas pessoas que são contratadas. Não há pessoal efectivo, são contratados para um determinado período e termina logo o contrato na instituição assim que finda o ano académico”, sublinhou para concluir que esforços estão a ser feitos para que os docentes sejam  efectivados assim como o pessoal administractivo que se encontra nas mesmas condições.
Para o presente ano académico, disse Francisco Jacucha, são necessários 80 docentes   e 50 quadros administractivos.
A instituição pretende reter os quadros qualificados e capazes para garantir a eficiência dos seus trabalhos e contribuir no alcance dos objectivos definidos, consignados na formação de quadros capazes e competentes para o mercado de trabalho quer seja local ou noutras partes do território nacional.
“A grande dificuldade tem sido a questão  migratória, porque o pessoal é contratado, termina o contrato e vai embora. Às vezes são técnicos qualificados dos quais precisamos dos seus serviços, mas, devido a essa dificuldade nós as vezes não temos como retê-los aqui”, sustentou Francisco Jacucha. Para colmatar a situação,  instituição conta   com um total de doze estudantes  que estão em Portugal a fazer a formação a nivel dos mestrados nas várias áreas para num futuro   engrossarem o quadro da instituição. Os estudantes em causa beneficiaram de uma bolsa do Instituto Nacional de Bolsas de Estudos (INABE). 
 
Qualidade dos formandos

 
“A qualidade é boa”,   disse Francisco Jacucha, que sublinhou o facto de a instituição ter excelentes professores e bons estudantes. Isso mesmo, disse Francisco Jacucha, ficou demonstrado ao longo das defesas recém-terminadas onde se notou um elevado grau de rigor e competência dos estudantes na apresentação das suas monografias que em Abril do corrente vão lhes habilitar ao grau de licenciatura nas mais variadas opções, ou seja, Pedagogia, Matemática, Sociologia e Psicologia.

Tempo

Multimédia