Reportagem

João Lourenço leva novo alento ao Toco

Estanislau Costa| Domingos Mucuta | Toco

Isabel, Calonga e Esperança fixaram-se em definitivo na comuna do Toco, situada a 35 quilómetros a Norte da cidade do Lubango, pela vila da Humpata, onde viviam há cinco anos.

O vice-presidente do MPLA João Lourenço procedeu à inauguração de infra-estruturas sociais no Toco e lançou a primeira pedra para a construção da segunda fase do hospital missionário Mamã Muxima
Fotografia: Arimateia Baptista|Huíla|Edições Novembro

Com 24 mil habitantes, a maioria deles agricultores e criadores de gado, a localidade ganhou novo fôlego com a implantação da Paróquia Mamã Muxima.
Instituída pelo padre Américo Gomes em 2012, a paróquia promove todos os anos a peregrinação ao santuário da Mamã Muxima, à semelhança de Luanda, que atrai milhares de crentes de diversos pontos da província da Huíla e do país. A institucionalização da actividade religiosa constitui um marco no progresso do Toco e atrai os filhos da localidade.
Este progresso começou a ser desenhado com a construção de diversas infra-estruturas, com realce para a urbanização da sede da povoação, templo, com capacidade para 1.800 pessoas, casa do pároco, escola, cozinha comunitária, posto médico, colocação de postes de iluminação pública e sistema de captação e abastecimento de água potável. A estrada nacional 105, pela qual circulam com frequência veículos ligeiros e pesados saídos das terras da Chela com destino ao Menongue, Huambo e Benguela, é outro factor de desenvolvimento da localidade do Toco, por promover o comércio de produtos do campo.
Depois do mercado do Km 42, paragem obrigatória dos viajantes, é a povoação em referência para se adquirir a preços módicos produtos naturais, como hortaliças, milho, feijão e animais. Meninas e rapazes conciliam as tarefas escolares com a pastorícia e as lavras.
O padre Américo Gomes disse ao Jornal de Angola que as transformações em curso na comuna confirmam a importância da parceria entre o Estado e a igreja, com resultados positivos no modo de vida da população do Toco. “Temos uma escola missionária do I e II ciclos, com 79 salas para mais de três mil alunos”, afirmou.
Além do complexo escolar, foram construídas duas residências missionárias com cinco quartos, balneários, cozinha, centro juvenil e biblioteca comunitária. “Estes equipamentos correspondem aos serviços exigidos pelos habitantes, evitando que as pessoas se desloquem para o centro urbano”, referiu.

Hospital missionário

A povoação do Toco teve um fim-de-semana especial com a entrega à comunidade do novo hospital missionário “Mamã Muxima” pelo vice-presidente do MPLA, João Lourenço, que se fez acompanhar da esposa, Ana Dias Lourenço,do primeiro secretário do MPLA na Huíla, João Marcelino Tyipinge, e de membros do partido no Governo.
O hospital, orçado em 350 mil dólares, teve a construção financiada pelas doações dos  fiéis e pela direcção do MPLA, como disse Américo Gomes.
Com capacidade para internar 20 pacientes, o Hospital Mamã Muxima possui banco de urgência, sala de consultas de pediatria, estomatologia, obstetrícia, maternidade, farmácia, serviços de raios-X, laboratórios de análises clínicas e de ecografia, entre outros.
Madres enfermeiras e médicos formados na Faculdade de Medicina atendem transeuntes e automobilistas, que deixaram de ter de ir ao Hospital Central do Lubango em caso de necessidade. “Agora, podemos respirar de alívio. Os nossos irmãos aflitos são tratados mesmo aqui”, afirmou João Lourenço, que lançou a primeira pedra para a construção da segunda fase do hospital, orçada em 140 milhões de kwanzas. O segundo bloco do hospital da Mamã Muxima vai prestar serviços de pequena cirurgia e terá uma unidade de tratamento intensivo, incineradora de resíduos hospitalares, enfermarias, cozinha, lavandaria, área administrativa e um amplo banco de urgência.

Entrega de meios

Uma grande quantidade de bens e equipamentos diversos foi entregue aos habitantes do Toco pelo vice-presidente do MPLA. Entre os meios, contam cadeiras de rodas, electrodomésticos e motorizadas.
Uma carrinha todo-o-terreno, vestuário, utensílios domésticos e computadores fazem também parte do material recebido pelos beneficiários com cânticos religiosos e danças.
O arcebispo metropolitano do Lubango, Dom Gabriel Bilingue, agradeceu o gesto e realçou a importância do hospital para a população da região. “O hospital significa muito para a obra social da Igreja Católica, mas, sobretudo, para as populações que precisam de serviços sociais básicos, numa zona ainda marcada por muitas dificuldades”, disse. Igreja e Estado, reforçou, devem reforçar a parceria para a solução dos principais problemas da população.
Considerado de nível médio, o hospital, referiu, alivia a pressão sobre as unidades sanitárias de referência situadas no Lubango.

Estímulo à agricultura

João Lourenço entregou às 21 cooperativas do Toco um tractor com as respectivas alfaias e 100 kits agrícolas, compostos por enxadas, charruas, atados de roupa usada e material escolar. O pároco Américo Gomes afirmou que as ferramentas vão contribuir para aumentar as áreas cultivadas.
 
Maravilhas da informática

A sala de informática Mamã Muxima vai atender 275 alunos da escola do I e II ciclos da povoação. Os 10 computadores disponíveis estão ligados à Internet.
Os alunos enalteceram a iniciativa do pároco Américo Gomes e do patrocinador do projecto. A sala vai evitar que os interessados tenham de deslocar-se à sede da província.

Tempo

Multimédia