Reportagem

Khoisan recebem ajuda do Estado

Carlos Paulino | Menongue

As autoridades do Cuando Cubango apoiam mais de oito mil membros da comunidade khoisan, disse a directora provincial do Ministério da Assistência e Reinserção Social (MINARS), Modesta Ngueve, num encontro com o titular do sector, Gonçalves Muandumba.

Ministro da Assistência e Reinserção Social Gonçalves Muandumba procedeu à entrega de bens de primeira necessecidade a comunidades carentes entre elas os khoisan que por causa de seu modo de vida são mais vulneraveis
Fotografia: Nicolau Vasco|Cuando Cubango

O ministro esteve durante três dias no Cuando Cubango, onde se inteirou dos vários programas de atendimento aos idosos, portadores de deficiência, comunidade khoisan e outros grupos vulneráveis.
Modesta Ngueve disse que a Direcção Provincial do MINARS tem registados 8.092 membros da comunidade khoisan, dos quais 985 homens, 1.311 mulheres e 2.303 rapazes e 3.493 meninas, nos municípios de Menongue, Calai, Nancova e Cuito Cuanavale.
Desde Janeiro deste ano, foram distribuídas pelo MINARS 9.330 toneladas de bens de primeira necessidade. O Governo Provincial recebeu 17,5 toneladas de bens alimentares e meios de produção, como charruas, enxadas e catanas, e entregou aos idosos 6,5 toneladas de bens diversos.
Os khoisan estão entre as comunidades em situação vulnerável devido, sobretudo, ao seu modo de vida. Nómadas, caçadores e recolectores sentem com particular incidência os efeitos da seca que afecta a região há vários anos.
O incentivo à construção de casas e constituição de aldeias, onde possam cultivar e ter os filhos a estudar está entre as acções preconizadas pelas autoridades, que vão, no próximo ano, proceder ao registo dos grupos vulneráveis em todos os municípios da província.
O ministro da Assistência e Reinserção Social desenvolveu intensa actividade na província do Cuando Cubango. Gonçalves Muandumba procurou, junto das estruturas ­locais, encontrar meios para atender  as populações mais vulneráveis.
Durante a estada na província, Gonçalves Muandumba constatou os vários projectos desenvolvidos e os que estão em curso na região, como a reintegração de ex-militares e geração de rendimentos para as famílias, além da comunidade khoisan.

Milhares de assistidos

Modesta Ngueve disse que, este ano, a instituição prestou assistência alimentar a 705 famílias, num total de 2.898 pessoas, que receberam 29,49 toneladas de produtos da cesta básica. O MINARS na província tem registados 14.451 idosos, com 9.026 mulheres e 5.425 homens.
A dispersão é a principal dificuldade. Apenas 43 dessas pessoas estão no lar da terceira-idade do bairro Hoje-Ya-Henda, arredores do Menongue, que alberga neste momento 33 mulheres e dez homens.
Com base nas orientações superiores, na província do Cuando Cubango foram cadastrados2.894 idosos, 1.427 dos quais abrangidos pelo Decreto Presidencial número 179/12 de 15 de Agosto para atribuição de pensão ou subsídio de velhice, cujo processo está em curso.
Durante o ano, 286 pessoas idosas receberam apoio em bens alimentares e outros meios de primeira necessidade. O sector tem acompanhado as actividades ocupacionais de 128 idosos, que realizam trabalhos de olaria, cestaria, feitura de machados, facas e outros utensílios para horticultura e agricultura.
Os idosos participam  em actividades de lazer, religiosas, visitas a instituições públicas e privadas, e a locais históricos, para ocupação dos tempos livres.

Apoio a deficientes físicos

A Direcção do ­MINARS tem registadas 7.585 pessoas com deficiência, das quais 5.376 homens e 2.209 mulheres. Deste número, 4.953 foram já cadastrados. O Governo Provincial alojou 28 famílias num projecto habitacional de baixa renda, o que corresponde a 163 pessoas que se encontravam num centro de trânsito, no bairro social de Kavikiviki.
Modesta Ngueve disse que 464 pessoas com deficiência beneficiam do projecto “Trabalho, Geração e Rendimento”, que conta com 122 cooperativas e sete trabalhadores individuais. Dez dessas cooperativas localizam-se na aldeia comunal do Licua, município de Mavinga.
Muitos dos beneficiados receberam kits profissionais de serralharia, mecânica, alfaiataria, canalização, sapataria, engraxadoria, agricultura e mototáxi, no quadro do programa estratégico do Executivo angolano para o combate à fome e pobreza.
No quadro deste projecto, foram  cadastradas 28 pessoas com deficiência a pedido da Associação dos Jovens Angolanos Provenientes da República da Zâmbia (AJAPRAZ), para a execução de um programa de empreendedorismo.
Em termos de ajudas técnicas, foram assistidas 432 pessoas com deficiência física, que receberam cadeiras de rodas, muletas canadianas e axilares, e bengalas para os cegos. A entrega destes meios facilita a locomoção dos beneficiários nas actividades laborais e estudantis. Cinco portadores de deficiência frequentam o ensino superior, 15 estão no nível médio, 25 no básico e 34 no especial. 

Atendimento de crianças

O Governo Provincial apoia 1.803 crianças vulneráveis, dentre as quais órfãs, abandonadas e em conflito com a lei. Destes petizes, 235 estão abrangidos no programa de protecção em instituições de caridades, como o centro de acolhimento Dom Bosco, Santa Isabel, Consoladora de Jesus e Ninho da Paz.
Destas crianças, 197 estão em instituições religiosas, 22 no centro Dom Bosco e 16 em famílias substitutas. Modesta Ngueve defendeu a necessidade de o ­MINARS voltar a desenvolver o projecto “Papa e Leite”, para mitigar os problemas das crianças com idade inferior a dois anos, cujas mães têm deficiências na amamentação, órfãs e abandonadas.
Com esse programa, referiu, o Governo do Cuando Cubango assistia 1.823 crianças e 1.600   foram salvos da malnutrição. Deste número, 223 menores estão ainda inseridos no programa, nos municípios de Menongue, Cuchi e Cuito Cuanavale.

Integração de ex-militares

O Instituto de Reintegração Social dos Ex-Militares (IRSEM) tem 16.523 associados, desmobilizados nos vários protocolos de paz em Angola. Deste número, 6.882 clamam por acções de reintegração para assistência socioeconómica e profissional, representando 51,12 por cento dos antigos guerrilheiros na região.
Até agora, apenas 2.110 ex-militares foram reintegrados no período de 2011-2016 em projectos de apoio e assistência social. Neste momento, 13.461 ex-militares estão incluídos em acções e projectos de reintegração. 
O IRSEM prevê apoiar  4.000 ex-militares com a execução de 14 projectos de reintegração social, produtiva e profissional, cujos custos estão estimados em mais de 335 milhões de kwanzas. Estão em execução dois projectos nos municípios de Menongue e Cuchi, com a integração de 75 associados com acções de agropecuária, empreendedorismo, artes e ofícios.
A directora provincial do ­MINARS disse que seis projectos estão paralisados porque os fornecedores falharam na entrega de insumos. Apesar disto, o IRSEM perspectiva a continuidade das acções de apoio à assistência e reintegração de 3.270 ex-militares em diversas componentes.

 

Tempo

Multimédia