Reportagem

Menongue celebra 56º aniversário

Carlos Paulino | Menongue

O município de Menongue, capital da província do Cuando Cubango, celebra hoje 56 anos de existência desde que foi elevada à categoria de cidade, em 1961, sob forte signo de desenvolvimento económico, social e cultural. A estátua do soberano “Mwene Vunongue”,  no largo com o mesmo nome, constitui um dos principais atractivos da cidade.

Fotografia: Nicolau Vasco | Edições Novembro | Cuito Cuanavale

Em 1975, depois de Angola se tornar independente, a então vila de Serpa Pinto, como era designada, passou a chamar-se Menongue, em homenagem ao soberano “Mwene Vunongue” que morreu   após uma briga com o comerciante português António de Almeida.
Ao longo dos 56 anos de existência, a cidade de Menongue registou um crescimento notável no capítulo da educação, saúde, fornecimento de energia e de água potável, bem como, no crescimento demográfico que passou de 30 mil para 320.914 habitantes, de acordo com os dados definitivos do Censo Geral da População e Habitação de 2014.
O administrador municipal de Menongue, Fernando Cassanga, disse à reportagem do Jornal de Angola que o aumento demográfico constitui um dos principais ganhos do município, que tem sido possível devido às políticas do Executivo na implementação de programas e projectos estruturantes de modo sustentável que muito tem contribuído no bem-estar das comunidades.
No período colonial, o município de Menongue tinha uma densidade populacional de 0,1 habitantes por cada quilómetro quadrado e era constituído por aldeias habitadas pelos povos indígenas, cuja sobrevivência dependia exclusivamente da agricultura, caça e  recolecção de frutos silvestres, mas transcorridos 56 anos conheceu um desenvolvimento socioeconómico significativo.
Fernando Cassanga apontou os ganhos que o município de Menongue alcançou como a construção do aeroporto Comandante Cuenha, as estradas asfaltadas, que liga a cidade com as comunas do Missombo e Caiundo e os municípios do Cuito Cuanavale e Cuchi.
Desde 1961 foram construídas também estradas secundárias e terciárias na cidade de Menongue e bairros periféricos, bem como dezenas de pontes   que permitem uma melhor circulação de pessoas e mercadorias.
A circulação do comboio  de Moçâmedes entre a província do Namibe e a cidade de Menongue, passando pela Huíla, constitui  um dos principais benefícios da capital do Cuando Cubango devido aos  benefícios na vida das pessoas no transporte  de mercadorias, como produtos do campo, materiais de construção civil, gás de cozinha, viaturas e  bens de primeira necessidade.
“Hoje, olhando para Menongue de 1961 e de 2017 não existem comparações possíveis, porque naquela altura o município era uma simples povoação, onde faltava quase tudo desde os bens de primeira necessidade, escolas, hospitais, fornecimento de água potável e de energia, habitação, supermercados, hotéis, bancos e instituições do Estado, mas hoje é uma cidade que oferece todos estes serviços”, disse. 

Educação e saúde
Fernando Cassanga disse que o sector da Educação é o que mais ganhou durante os 56 anos e actualmente conta com 84 escolas que são assegurados por mais de 2.700 professores da iniciação até ao ensino superior  que inscreveram no presente ano lectivo  cerca de 80 mil alunos.
Neste sector destaca-se   a construção do Instituto Médio de Administração e Gestão (IMAG), do Instituto Médio Agrário do Missombo, do Instituto Médio Normal de Educação, da Escola de Formação de Técnicos de Saúde, da Escola do segundo ciclo de formação geral “PUNIV” e da Escola Internacional de Fiscais Ambientais.
Outro ganho é a construção da Universidade do Cuito Cuanavale, afecta à oitava Região Académica e que  já formou  mais de 600 técnicos  nos cursos de Biologia, Matemática e Enfermagem.
 O mesmo ganho se reflecte também no sector da saúde. O município de Menongue conta com uma rede sanitária composta por um Hospital Geral de referência e um municipal, seis centros de saúde, 29 postos saúde, 199 técnicos de enfermagem e 24 médicos, dos quais 18 nacionais que têm estado a contribuir para uma melhor assistência médica e medicamentosa da população.
No que toca às infra-estruturas hospitalares, a cidade de Menongue conta com um novo Hospital Geral de referência com todas as valências e com tecnologia moderna, com realce para os serviços de raio X convencional, imagiologia, mamografia, oftalmologia, urologia e cardiologia.
“Apesar destes ganhos, os esforços são cada vez maiores para melhorar os indicadores da saúde materna e infantil a nível do município de Menongue, nomeadamente o aumento exponencial das coberturas vacinais em crianças com menos  de cinco anos ao longo dos últimos 56 anos”, explicou, acrescentando que hoje 90 por cento dos partos são assistidos nas unidades sanitárias por técnicos qualificados.
 
Energia e água
A cidade beneficiou, em 2010, de uma central eléctrica de dez megawatts mas actualmente, devido à falta de peças de reposição,   está a trabalhar aos solavancos e o fornecimento de energia eléctrica na cidade de Menongue e arredores é deficiente registando-se restrições constantes, apagões e muitas oscilações.
A cidade de Menongue vai contar nos próximos dias com o reforço de mais 50 megawatts com a entrada em funcionamento de uma nova central térmica com suporte de duas turbinas a gás com a capacidade de cada uma de 25 megawatts e que está a ser instalada no bairro Tucuve.
Neste momento, já chegou à capital do Cuando Cubango grande parte dos equipamentos para a montagem da primeira turbina e aguarda-se nos próximos dias a vinda de mais materiais para que até ao final do ano a nova central térmica possa entrar em  funcionamento.
No quadro do abastecimento de água, a cidade de Menongue ganhou uma central de captação, tratamento e distribuição de água potável com capacidade instalada para bombear 11 mil metros cúbicos de água por dia com uma extensão de rede de 79 quilómetros e que permitiu 3.500 ligações domiciliares, e a construção de 100 chafarizes.
“Apesar disto é necessário  envidar  esforços para que os 320.914 habitantes da jurisdição possam ter  acesso ao abastecimento do precioso líquido”, disse.

                                                           Administrador do município anuncia as bases para o futuro

Fernando Cassanga
explicou que no domínio da agricultura também houve ganhos significativos, uma vez que no passado os agricultores trabalhavam o campo em péssimas condições e produziam apenas alimentos para a sua própria família e não beneficiavam do apoio do Executivo.
Hoje a Administração Municipal de Menongue controla 192 associações e 22 cooperativas que recebem todos os anos apoio de imputes agrícolas e tudo têm feito para alavancar a agricultura familiar como suporte da segurança alimentar e nutricional da população.
O administrador municipal disse que um dos grandes ganhos no sector da agricultura recai também para a construção do canal de irrigação do Missombo, com uma extensão de cerca de sete quilómetros e que nos próximos tempos vai acolher importantes projectos agro-pecuários.
Na comuna do Missombo, que dista  15 quilómetros da cidade de Menongue, está prevista nos próximos tempos a implementação de um projecto agrícola a cargo da empresa nacional “Agro 88” e a construção de um matadouro industrial por uma firma italiana.

Requalificação da cidade
Fernando Cassanga anunciou que a Administração Municipal tem em carteira um projecto para a requalificação da cidade de Menongue, devido o aumento das construções anárquicas. “O êxito deste projecto passa necessariamente por loteamento de terrenos e posteriormente a sua entrega à população para a auto-construção dirigida.”
A instituição, em coordenação com a Direcção Provincial da Habitação e Ordenamento, dá início nos próximos dias ao loteamento de terreno nos bairros Kalupassa e  Tucuve, que vai permitir urbanizar  a circunscrição.
Outro projecto que vai mudar  a imagem da cidade de Menongue é a grande avenida que está a nascer, recheada de palmeiras, nas bermas da estrada, denominada “23 de Março”, em homenagem aos heróis da histórica batalha do Cuito Cuanavale. 
“Este é um ganho que já está orgulhar também a todos os munícipes pela beleza que a referida avenida está a proporcionar, no sentido de dar uma melhor imagem da nossa capital da província”, disse Fernando Cassanga.
O administrador municipal de Menongue anunciou  ainda que está prevista para os próximos dias a requalificação dos mercados paralelos, sobretudo do bairro Paz e do Tchivonde, bem como o melhoramento dos cemitérios e terraplenagem de algumas vias terciárias.

  
                                                                                 Outros projectos

No que toca ao saneamento básico, Fernando Cassanga disse que nos últimos dois anos a capital do Cuando Cubango, que já foi considerada uma das cidades mais limpa de Angola, está a enfrentar muitas dificuldades para a limpeza e recolha dos resíduos sólidos, tendo em conta que por falta de verba as empresas que faziam este trabalho paralisaram praticamente as suas actividades.
A Administração Municipal tem  contrato com quatro empresas de limpeza, nomeadamente a B52, Ekovango, Lusitana e Kalendula, mas   devido ao contexto actual da crise económica e financeira não há neste momento dinheiro para pagar às empresas.
Neste momento as áreas que mais preocupam a sua instituição por causa dos amontoados de lixo são os bairros Tchivonde, 1.º de Maio, Castilho, Tunga, Novo, Paz e 23 de Março, sobretudo na época chuvosa uma vez que pode provocar o surgimento de doenças.
 Fernando Cassanga lamentou o facto de muitos munícipes   atearem fogo aos contentores de lixo, o que considerou uma atitude negativa, uma vez que esta acção coloca também em risco a saúde humana por causa da fumaça.   

Programa das festividades
Para a comemoração dos 56 anos da cidade de Menongue, Fernando Cassanga, anunciou que a instituição programou diversas actividades, nomeadamente actividades desportivas e músico-culturais, campanhas de limpeza e visitas as obras da construção da nova central térmica de turbina a gás e da centralidade do Tucuve.
Estão igualmente previstas visitas ao projecto de loteamento de terrenos no bairro Kalupassa e Tucuve, palestra subordinado ao tema “Legalização de terreno”, deposição de coroa de flor ao túmulo do rei Mwene Vunongue e exibição de máscaras tradicionais.
Fernando Cassanga pediu aos munícipes de Menongue para participarem activamente nas festas da cidade que vão decorrer durante 30 dias.
“Esta data deve servir de reflexão a todos os   munícipes, tendo em conta que ainda assistimos a atitudes reprováveis, como vandalismo nos contentores e em palmeiras que estão a ser colocadas para embelezar a cidade”, disse Fernando Cassanga.

Tempo

Multimédia