Reportagem

Oportunidades de formação e emprego para jovens em situação vulnerável

Edivaldo Cristóvão

A aposta na formação  profissional e promoção do emprego é a prioridade do Executivo, que pretende criar 500 mil postos de trabalho até 2022.

Estes jovens têm hoje oportunuidades de projectar melhor o futuro na Cidadela de Caculama
Fotografia: DR

O Ministério da Administração Pública, Trabalho e Segurança Social tem a responsabilidade de materializar parte substancial deste compromisso do Estado, por via de 143 centros, com 237 serviços directos e indirectos, que têm ajudado a tirar muitos jovens do desemprego e da delinquência.
O Sistema Nacional de Formação Profissional conta anualmente com mais de 67 mil vagas, sustentadas por uma rede de 142 centros, tutelados pelo Instituto Nacional de Emprego e Formação Profissional (INEFOP). Paralelamente, 533 instituições, de âmbito privado, e 35 outras tuteladas por diversos organismos públicos, complementam a procura, totalizando 710 instituições.
A formação profissional e a promoção da empregabilidade são sustentadas por vários projectos, sendo a Cidadela Jovens de Sucesso apenas uma “ponta no iceberg”. Recentemente foi inaugurada a quinta escola, no município de Caculama, em Malanje. A aposta na construção da infra-estrutura naquela localidade é motivo de felicidade e fez renascer,  em muitos jovens habitantes do município, contactados pela nossa reportagem, a esperança em dias melhores.
A Cidadela Jovens de Sucesso é um sistema que abrange a formação inicial, de preparação para o acesso ao emprego, promovendo o exercício profissional ao longo da vida. Estas escolas estão localizadas, normalmente, nas zonas rurais e têm como missão proporcionar aos adolescentes formação nas componentes académica, profissional, bem como módulos transversais relacionados com a ética, cidadania e empreendedorismo, a fim de permitir a sua reintegração social e profissional.
O grupo alvo são jovens e adolescentes, a partir dos 14 anos de idade, em situação de vulnerabilidade. Nestas escolas, os adolescentes e jovens frequentam durante três anos, em regime de internato ou externato, acções de formação profissional e académica, permitindo polivalência de aprendizagem em seis especialidades formativas. Electricidade de baixa tensão, Carpintaria de limpos, Serralharia civil, Informática, Agricultura e Pecuária  são as áreas em que os alunos se capacitam durante o curso.
Funcionam nesta altura quatro escolas rurais de capacitação e ofícios “Cidadela Jovens de Sucesso”,  nas localidades de Cabiri e Mazozo, em Luanda, Sacassange, no Moxico e Dinge, em Cabinda. Os cursos são gratuitos. Para ingressar, os candidatos devem ter, no mínimo, 14 anos, apresentar o Bilhete de Identidade, certificado de habilitações e  fotografias, sendo submetidos a testes de admissão.
A nova Cidadela de Caculama tem um espaço de sete hectares, estando capacitada para albergar 200 alunos de ambos os sexos em regime de externato. O Jornal de Angola apurou que, para o próximo curso, já estão inscritos 60 alunos.
A escola conta com estufas agrícolas e campos abertos, aviários para galinhas poedeiras e uma incubadora para pintos. Na componente de agricultura em campo aberto, a instituição implementa um método inovador, designado “Mandala”, baseado em culturas sustentáveis implantadas em círculos concêntricos. O método é de fácil aplicação e bastante eficaz, podendo os jovens depois adoptar e colocar em prática noutros locais.
O projecto empregou 19 pessoas, na sua maioria  residentes da região de Mucari. O local conta ainda com outras infra-estruturas de carácter social, como residências para os professores e para a direcção, refeitório, dois autocarros para apoio aos formandos e trabalhadores e uma viatura para o director. A instituição procura rentabilizar a produção agrícola feita pelos alunos, para garantir a sustentabilidade do espaço ou, no mínimo, suprir alguns custos inerentes ao seu funcionamento. Para tal, os produtos são vendidos num quiosque, à entrada da escola.
 
Oportunidade
para os jovens

 O governador de Malanje, Norberto dos Santos, considera que a nova instituição escolar vai permitir resolver parte dos problemas que os jovens enfrentam no município de Mucari, concretamente na zona de Caculama.
“Eles precisam de ter uma profissão para entrar no mercado de trabalho. Peço aos formandos que dediquem todos os conhecimentos que vão adquirir no processo de ensino para, no futuro, estarem bem preparados para enfrentar os desafios que se apresentam aqui na província. Nesta instituição, os jovens vão encontrar várias oportunidades. Estarão distantes da vulnerabilidade que encontram na rua, como a delinquência e o consumo excessivo de bebidas alcoólicas”, concluiu o governador.
O soba de Caculama, Buco Feliciano, enalteceu a construção da nova infra-estrutura e considera que será uma mais-valia para a comunidade porque vai resolver o problema da falta de ocupação e o desemprego dos jovens.
A mais alta autoridade tradicional daquela localidade revelou que em Caculama existem muitos jovens desempregados. “O Executivo fez muito bem em  trazer esta iniciativa à nossa comunidade. As escolas normais do sistema de ensino ficam muito distantes das residências e o trajecto dos alunos até lá é de mais de quatro quilómetros a pé. Isso provoca altas taxas de abandono. Muitos têm vontade de prosseguir os estudos, mas é mesmo difícil”, referiu.
Aos 14 anos de idade, Eduardo Francisco Pedro carrega o fardo de ter ficado fora do sistema de ensino, nos últimos 24 meses, por falta de Bilhete de Identidade. Sem qualquer registo anterior, por parte do pai, teve oportunidade de ser legalmente reconhecido, por via do padrasto que assumiu a paternidade e registou o jovem.
O tutor viu na Cidadela Jovem de Sucesso uma oportunidade para o adolescente voltar a estudar. “Lamento muito o facto de ter ficado dois anos sem estudar. Esta oportunidade vem no momento certo. Interrompi os estudos na sétima classe, mas agora vou dar continuidade e  tornar-me  um homem melhor”, assegurou o jovem.
Eduardo Pedro revelou que o seu pai vive em Luanda e sente-se triste por ter sido abandonado por ele. “Se o encontrar na rua, não sou capaz de reconhecê-lo. Graças ao meu padrasto, consegui inscrever-me nesta escola. Pretendo concluir a formação de serralheiro profissional, para poder também ensinar outros” disse.
A jovem Madalena Dulo Massango, de 17 anos, contou à nossa reportagem que o seu interesse em entrar para a escola surgiu devido ao curso de electricidade, que sempre sonhou em fazer.
Estudante da nona classe, Madalena enfrentou alguma contestação por parte de algumas amigas por ter escolhido este curso, visto por elas como “mais adequado aos rapazes”. Apesar disso, a jovem assegura que  nada a vai demover. “Tenho fé de que um dia serei uma engenheira reconhecida”, disse.
Adão Joveth, de 15 anos, foi para a escola com intenção de concluir os estudos e aprender outros ofícios. O jovem quer ser carpinteiro e é apaixonado pela arte. Gosta de fazer cadeiras, mesas e outros mobiliários para lares e escritórios.
Ailton João Queta  tem 26 anos, vive em Caculama e entrou para a escola porque nutre uma grande paixão pela agricultura. O seu objectivo é ser agrónomo, embora seja também técnico de Informática.
“O teste de admissão na escola não é difícil. Já tenho o ensino médio e por isso, aqui vou apenas aproveitar os cursos para aperfeiçoar as minhas habilidades”, explicou.

Tempo

Multimédia