Reportagem

Rock: Um tributo à “música do diabo”

Osvaldo Gonçalves

Nascido nos Estados Unidos da América, entre as décadas de 1940 e 1950, o rock evoluiu do rythm and blues e do jazz, contando também com a influência do country. Considerado “pai do rock”, Elvis Presley tem esse título questionado por muitos, que alegam que naquela época havia cantores negros mais famosos.

Fotografia: DR

A 13 de Julho de 1985, cerca de dois mil milhões de pessoas de todo o Mundo assistiram pela televisão ao “Live Aid”, realizado em simultâneo na Inglaterra e nos Estados Unidos. Na época, a audiência correspondia a metade da população mundial.
Idealizado pelos músicos Midge Ure e Bob Geldof, que tiveram carreiras expressivas em bancas de rock, o espectáculo destinava-se a arrecadar dinheiro para ajudar vítimas da fome em África.

O foco principal na altura era a Etiópia, abalada por uma guerra civil desde 1983, que provocou mais de um milhão de mortos. Em simultâneo, foram realizados eventos nos estádios Wembley, em Londres (Inglaterra) e John F. Kennedy, em Filadélfia (EUA).
A escolha da data como Dia Mundial do Rock foi feita por Phil Collins, que participou no evento e tocou nos dois lugares. “Live Aid” não foi Woodstock (15 a 18 de Agosto de 1969), mas deixou uma marca inapagável na história da música, ao mobilizar um grande número de artistas e bandas, como Queen, Mick Jagger, Keit Richards, Ronnie Wood, Elton John, Paul McCartney, David Bowie, U2, The Who, Status Quo, Led Zeppelin, Dire Straits, Madonna, Joan Baez, BB King, Sting, Scorpions, Eric Clapton e Black Sabbath, entre outros.

O duplo espectáculo ficou marcado por momentos ímpares, como a actuação de Paul McCartney ao lado de Elton John, o coro de 101 pessoas a cantar “Amazing Grace” de Joan Baez ou os “Queen”, com Freddi Mercury no seu melhor.
A transmissão de ambos espectáculos ao vivo pela BBC para diversos países abriu os olhos do Mundo para as condições de miséria extrema em que viviam (e ainda vivem hoje) milhões de pessoas no continente africano.

Mais do que um tributo ao rock and roll, os artistas deixaram clara a capacidade de a música ajudar a humanidade. Com o “Live Aid”, os organizadores conseguiram angariar cerca de 150 milhões de libras esterlinas, soma que foi, em parte, desviada quando chegou à Etiópia.
Em 2005, 20 anos depois, Bob Geldof orgamizou o “Live 8”, com o objectivo de pressionar os líderes do G8 a perdoarem a dívida externa dos países mais pobres e erradicar a miséria no Mundo. Nota de destaque nesses espectáculos foi a reunião do grupo “Pink Floy, na sua formação clássica, após 20 anos de separação.

Embora neste século tenha perdido um pouco de espaço na indústria cultural para outros géneros, como o pop e o hip-pop – em Angola para a Kizomba, Semba e Kuduro - o rock é dos estilos musicais mais conhecidos do Planeta. Imperou entre as décadas de 1950 e 1980, tornando-se muito popular. A sua história e o facto de ainda ter milhões de fãs no Mundo inteiro estão na base da celebração do 13 de Julho, como o Dia Mundial do Rock. Nunca é demais lembrar e celebrar.

O estilo

Nascido nos Estados Unidos da América, entre as décadas de 1940 e 1950, o rock evoluiu do rythm and blues e do jazz, contando também com a Influência do country. Considerado “pai do rock”, Elvis Presley tem esse título questionado por muitos, que alegam que naquela época havia cantores negros mais famosos.
No início, o rock era rotulado de “música do diabo”, tendo perdido esse epíteto com Presley, um jovem branco de voz potente e cheio de suing. “The Beatles”, quarteto de rapazes de Liverpool (Inglaterra) vieram dar a machada final na popularização deste estilo musical.

Nomes como Fats Domino, Bill Haley & Hit Comets e Chuck Berry, este último muito revivido pelas repetidas regravações da canção “Johnny B. Good”, tocada quase até à exaustão por Jimi Hendrix, são alguns dos mais sonantes da história do rock, tal como Ike Turner e Jackie Brenston, cujo tema “Rocket 88” é considerada a primeira canção do estilo.
Sem haver consenso sobre a origem do termo rock, sabe-se que a primeira pessoa a usar a expressão “rock ‘n roll” foi o radialista norte-americano Alan Freed. Grandes bandas e músicos fizeram história no rock. Além de Hendrix, nomes como The Beatles, Janis Joplin, Pink Floyd, Led Zeppelin, Doors, Queeen, AC/DC, Nirvana e, naturalmente, U2 e Rolling Stones são alguns dos mais citados.

Para a História, fica a ideia de que o rock teve sempre uma postura de contestação e de crítica, de oposição à guerra, contra a fome e a pobreza, a favor da natureza e da preservação do ambiente.
Fica também provada a capacidade do rock abraçar outros estilos, como aconteceu em Woodstock e no “Concerto para Bangladesh”. Apesar de todas as críticas e burburinhos que sempre se criaram à sua volta e ao aparente mau momento que atravessa, o rock continua a dar mostras de que está vivo e goza de boa saúde.

Tempo

Multimédia