Reportagem

Zaire conquista mérito no contexto nacional

João Mavinga e Fernando Neto| Mbanza Congo

A província do Zaire conquistou espaço no contexto nacional ao chamar a si, em 2016, a aplicação dos investimentos na região nos domínios da energia e águas, estradas, educação, saúde, habitação, pontes, pescas e turismo.

As subestações eléctricas nos municípios do Nzeto e do Soyo já estão operacionais e a população já sente os benefícios da energia eléctrica desde o mês de Novembro último
Fotografia: Garcia Mayatoko | Edições Novembro

O Programa de Investimentos Públicos de 2016 estabelece um orçamento de mais de 8.2 mil milhões de kwanzas. O governador provincial, Joanes André, afirma que há que fazer face à dura realidade financeira e, nesse aspecto, o balaço “é positivo.”
Para Joanes André, apesar das dificuldades financeiras, são visíveis “os benefícios” alcançados nos últimos quatro anos. A principal prova disso, referiu, está no sector energético. O destaque recai para o ciclo combinado Kapari-Soyo.
Foi já concluída a instalação das linhas de alta-tensão entre Catete, Kapari, Nzeto e Soyo. As subestações eléctricas nos municípios do Nzeto e do Soyo também estão operacionais e a população já sente os benefícios da energia eléctrica desde 22 de Novembro último.
Os habitantes do Soyo, cidade onde a energia eléctrica da rede nacional está em fase de experiência, aguardam pelos acertos técnicos em curso.
Em Mbanza Congo, decorre a bom ritmo a construção da subestação que vai receber energia eléctrica a partir do município do Nzeto. Desta subestação, saem as linhas de energia para os municípios do Cuimba e do Nóqui.
Na óptica do governador provincial, o processo de construção da subestação de Mbanza Congo envolve factores subjectivos, que podem provocar alguma morosidade na conclusão. Por este motivo, o governo provincial lançou um projecto de reforço da capacidade da central eléctrica do Kianganga, que alimenta a cidade de Mbanza Congo, para debelar o problema.
A central possui seis grupos geradores de dois mil kva cada. A intenção do governo local é acrescentar outros seis grupos geradores de 1.600 kva para fazer face à situação. A medida permite que muitos citadinos tenham energia eléctrica 24/24 horas, para evitar as restrições de que têm sido alvo.
Ao falar na tradicional cerimónia de cumprimentos de fim-de-ano, o governador do Zaire explicou que os outros municípios da província beneficiam, também, de projectos de reforço da energia eléctrica. Uma nova central eléctrica está já a funcionar no Tomboco.
O Cuimba está às escuras há três semanas. O governador tranquilizou a população: “Nesta altura que vos falo, está a caminho do município do Cuimba um novo grupo gerador potente e moderno de 1.250 kva, graças à intervenção directa do Presidente da República, que mandou equacionar de imediato para que o município fique iluminado.” “O Decreto 271/16 do Presidente da República estipula o direito de todos os municípios serem electrificados”, sustentou Joanes André.

Agua potável

O sector das Águas avança com novos sistemas em toda a província. Este ano, o Governo Provincial do Zaire inaugurou dois sistemas de abastecimento em Mbanza Congo, igual número no Nzeto e um no Tomboco. O processo é extensivo aos demais municípios e prevê a reparação e a manutenção dos subsistemas existentes.
Em 2017, a província do Zaire realiza a construção de novos sistemas de água para reforçar os processos de captação, adução e distribuição de água às comunidades. Em Mbanza Congo, região com cerca de 180 mil habitantes, dos quais 150 mil residem na sede capital, foi lançado um projecto de água pelo ministério de tutela, que vai permitir o aumento de 64 metros cúbicos/hora e a adução para 300 outros. “Se o nosso tanque de hoje é de 150 metros cúbicos, teremos um de 500 metros cúbicos”, disse.
Em Junho de 2016, foi restabelecida a ligação terrestre entre Mbanza Congo, Nzeto e Luanda. Falta concluir a construção da primeira auto-estrada do Zaire, que liga os municípios do Nzeto e do Soyo. O Governo augura que, face ao ritmo de construção em curso na estrada Nzeto-Soyo, a estrada entre Mbanza Congo-Cuimba e Nóqui seja alcançada ainda em 2017.
O programa de construção das vias urbanas, em curso em todas as sedes municipais do Zaire, vai, segundo o governador, mitigar o problema do saneamento básico, através da construção de arruamentos equipados com redes técnicas, iluminação pública e recolha dos resíduos sólidos.
As administrações municipais, mesmo sem recursos financeiros, têm feito de tudo para manterem as cidades limpas, disse.
 
Transportes urbanos


Em 2017, a província do Zaire executa o projecto de linhas de transportes urbanos. A acção dá prioridade aos troços de deslocação de alunos para as escolas, sobretudo os situados fora das localidades.
Para garantir a durabilidade dos autocarros que chegam em breve, o Governo Provincial do Zaire enviou dezenas de jovens mecânicos para a China em especialização, de modo a procederem à reparação e manutenção dos meios.
“Estes jovens chegam em breve ao país para este desafio”, assegurou Joanes André, para quem o Ministério de tutela anunciou já o projecto de um terminal fluvial, que vai ligar Luanda-Soyo e Cabinda por via marítima através de catamarãs.

Cultura


Em Novembro último, Mbanza Congo acolheu a III mesa redonda internacional sobre o projecto da sua elevação à categoria de património mundial pela Unesco. O Ministério da Cultura, em parceria com o Governo Provincial do Zaire, continua a trabalhar com afinco para que a região seja classificada no próximo ano.
“Tudo está a ser feito, através de estudos arqueológicos. Pesquisas históricas do antigo Reino do Congo e dos resultados preliminares apurados durante o processo apontam para que a classificação de Mbanza Congo seja inevitável em 2017”, esclareceu o governante.
A província do Zaire ocupa um lugar de destaque no mosaico cultural por ser a única detentora da classificação como centro histórico-cultural. O povo angolano aguarda com grande expectativa pelo facto de a Unesco admitir para o próximo ano a sua inscrição como património mundial.Sobre o sector das Pescas no Zaire, foi referenciado em 2016, através da sua  participação em feiras nacionais e internacionais realizadas em Luanda, pela qualidade do pescado que o grandioso rio Zaire ostenta.
“Entre 21 a 24 de Junho do próximo ano, está prevista a realização da feira do peixe, durante o acto de inauguração da ponte-cais, em construção no município piscatório do Nzeto”, referiu o governador.     

Sector da Saúde


O Governo Provincial do Zaire aumentou, em 2016, para 200 o número de camas do hospital provincial, em Mbanza Congo. Na unidade hospitalar, o governador inaugurou, a 11 de Novembro, o banco de urgência, a pediatria e dezenas de enfermarias.
“Teremos mais emprego nos sectores da Saúde e Educação no próximo ano”, disse ainda o governador. Adiantou que o Tribunal de Contas já ratificou o dossier da Saúde na província.O sector da Educação na província continua a trabalhar na formação de quadros e promoção do emprego, de modo a atenuar o défice que o sector enfrenta, referiu Joanes André.
“A paz nos permitiu construir. Não devemos esperar que outras pessoas venham fazer o nosso trabalho. O Zaire precisa desta união e do trabalho conjunto. Não conseguimos desenvolver a província com confusão, distúrbios e divergências”, afirmou o governador.

Tempo

Multimédia