Sociedade

A indomável vontade de vencer as adversidades

Rui Ramos

Jorge Laurentino Ndemulungila Kukeinge nasceu em 1989, é filho de Bernardo Kukeinge e de Antónia Tulihaleni, natural de Onameva, localidade 30 quilómetros a norte de Ondjiva, Municipio do Cuanhama, Cunene.

Jorge Laurentino Ndemulungila Kukeinge é natural de Onameva
Fotografia: DR

Na verdade, confessa Jorge Laurentino Ndemulungila Kukeinge, a mãe deu à luz no hospital de Engela, cidade da vizinha Namíbia, para onde se deslocou dada a falta de condições nos hospitais de Ondjiva na altura.
Jorge Laurentino Ndemulungila Kukeinge começou os estudos aos 7 anos, em 1997, na Escola do I nível de Onameva, tendo terminado a 4.ª classe no ano 2002.
Ao longo do ensino primário, Jorge Laurentino Ndemulungila Kukeinge teve de dividir os estudos com as actividades do campo, pois nasceu numa família camponesa e, como é natural, constituía uma parte da força do trabalho agrícola ou pecuário da família. "Era obrigatório para mim e para os meus irmãos acordar antes das 5h00, a fim de charruar, cultivar, esbulhar massango, preparar o cerco..."
Mas a obrigação que superava tudo era ir à escola, mesmo com chuva e grandes ventos e descargas eléctricas que o aterrorizavam.
“Eu recorria à luz da lenha para meter a lição na minha cabecinha, mas em 1998, tristemente, foi-me anunciada a primeira e única reprovação, na 1.ª classe. A solução foi simples: preparar um monte de lenha e clamar as seguintes palavras: “Mãe, a partir de hoje ensina-me a ler e ela deferiu a minha petição com sincero sorriso que expressava amor.” A partir daí, nem mais uma reprovação.
Em 2003, com 14 anos, Jorge Laurentino Ndemulungila Kukeinge foi transferido para a escola do II e III níveis de Okambada, a fim de frequentar da 5.ª à 8.ª classes. A Escola de Okambada localiza-se a 29 quilómetros de Onameva.
Jorge Laurentino Ndemulungila Kukeinge levantava-se de noite para trabalhar na lavra e pastar e ainda por cima a distância entre o Onameva, onde vivia, e Okambada, onde estudava, veio triplicar a carga da sua cruz, o sol ardente do Cunene e excesso de chuva que inundava as chanas e transbordava os rios do Cunene levaram-no muitas vezes a pensar em desistir, como tantos colegas que assim pensaram e agiram.
“Era necessário atravessar chanas com elevados níveis de águas correntes vindas de tantos rios que o Cunene tem, sem falar dos enormes répteis que as correntes arrastam e o sol ardente, e nem tínhamos sapatos e a roupa era sempre a mesma...”
O sofrimento fez nascer o seu espírito criador e levou ao "Sinduleemadii", nome em língua Oshikwanha, atribuído aos meios de transporte precários, viatura, motorizada ou bicicleta, no caso presente uma bicicleta com condições precárias que Jorge Laurentino Ndemulungila Kukeinge arranjou a fim de facilitar a deslocação para a Escola de Okambada.
Depois de concluída a 8.ª classe, Jorge Laurentino Ndemulungila Kukeinge teve de ir pela primeira vez para Ondjiva, em 2007, para frequentar o Curso de Administração Pública no Instituto Médio Politécnico de Ondjiva, actual Magistério de Ondjiva.
Não foi fácil inserir-se numa nova classe social e foi vítima frequente de “buliyng”.
Mas superou os insultos e com outros colegas formou a "Liga do Bem", visando o sucesso escolar, apesar de enfrentar dificuldades económicas quase insuperáveis. E então passou a ser um aluno brilhante e conseguiu ser professor.
Jorge Laurentino Ndemulungila Kukeinge concluiu o Ensino Médio em 2010 e no mesmo ano ingressou no sector da Educação na categoria de professor do ensino primário auxiliar do sexto escalão.
Em 2011, Jorge Laurentino Ndemulungila Kukeinge inscreveu-se no Instituto Superior Politécnico Independente do Lubango, no Curso de Gestão e Marketing, que terminou em 2015, tendo recebido o diploma em 2016.
Na vida universitária, Jorge Laurentino Ndemulungila Kukeinge enfrentou muitas dificuldades económicas até ao terceiro ano quando conseguiu uma bolsa de estudos interna.
“A pesar de todos os obstáculos, as minhas lutas terminaram sempre em vitórias, apesar da vida dura de estudar, pastar, dar de beber ao gado, trabalhar na lavra e ordenhar, consegui terminar a minha formação na Escola de Onameva e posteriormente em Okambada, desafiando o terrível sol e as enormes chuvas e chanas.”
A grande alegria de Jorge Laurentino Ndemulungila Kukeinge foi ter recebido a Cédula como Advogado Estagiário, o trabalho de professor e advogado proporciona enorme alegria a Jorge Laurentino Ndemulungila Kukeinge.
“Ao longo desta trajectória aprendi bastante com a vida e digo que o melhor mestre da vida é a própria vida”, diz-nos.

Tempo

Multimédia