Sociedade

Abatidos mais de 40 elefantes na região

Carlos Paulino | Menongue

Quatro caçadores furtivos, angolanos, namibiano e zambiano, foram condenados, na província do Cuando Cubango, a cinco anos de prisão, por abate de mais 40 de elefantes nos municípios do Rivungo e Dirico, informou ontem, em Menongue, o director do Serviço de Investigação Criminal (SIC).

 

Abate de animais constitui crime contra o ambiente
Fotografia: Nicolau Vasco, Edições Novembro

O subcomissário Miguel Arcanjo Sumbo disse tratar-se de um crime contra o ambiente, recordando que o abate dos animais ocorreram entre Janeiro do ano passado e Junho deste ano, tendo o SIC apreendido 84 marfins, o que corresponde a  42 elefantes. 
Miguel Arcanjo Sumbo condenou a acção e lembrou que o Cuando Cubango continua ainda a ser o local preferencial dos caçadores furtivos, sobretudo os de nacionalidade namibiana e zambiana, devido à vulnerabilidade na protecção da fronteira, entre Angola e os respectivos países.
“Infelizmente, enquanto as fronteiras continuarem vulneráveis e ainda com agravante de termos um número reduzido de fiscais ambientais, para o combate cerrado a esta prática, corre-se o risco de se registar situações idênticas”, alertou.
Enquanto isso, o director do SIC garantiu continuar a trabalhar em coordenação com os outros órgãos do Mi-nistério do Interior, com realce para o Serviço de Migração e Estrangeiros, a Polícia Nacional e a de Guarda Fronteira, no sentido de  inverter-se o actual quadro, que considerou preocupante.
No quadro das acções realizadas entre Janeiro de 2017 e Junho deste ano, o SIC registou também 4.046 crimes de natureza diversa, sendo 2.404 por denúncia da população e 1.642 por iniciativas operativas.

Tempo

Multimédia