Sociedade

Alunos voltaram ontem às aulas

Alexa Sonhi|

As escolas do ensino geral, na província de Luanda, retornaram as aulas ontem, depois de terem  ficado paralisadas por uma semana devido à greve  convocada pelo Sindicato Nacional de Professores, que reclamam melhores condições de trabalho e salariais. 

Alunos regressaram com satisfação às escolas
Fotografia: Agostinho Narciso | Edições Novembro

O Jornal de Angola saiu à rua e constatou que em muitas escolas da capital os alunos e professores compareceram em massa  desde as primeiras horas da manhã.
No Largo das Escolas, no Distrito Urbano da Maianga, onde estão concentrados os maiores estabelecimentos de ensino geral da capital,  as batas brancas dos alunos saltavam à vista de transeuntes e automobilistas que circulavam pelas redondezas, o que indicava o regresso às aulas.
Na escola Ngola Kiluanji, que tem inscritos, este  ano lectivo, 7.687  alunos, o regresso às aulas aconteceu sem constrangimento algum, conforme garantiu ao Jornal de Angola, António Ernesto, director da escola.
António Ernesto disse que a direcção da escola Ngola Kiluanji  está feliz  por notar um movimento normal  como se não tivesse saído de uma greve. "As salas de aula estão  abarrotadas, como sempre, muitos professores compareceram e cobriram o seu tempo lectivo com normalidade".
 Na escola Nimi a Lukeni, localizada no Distrito Urbano do Rangel,  com uma população estimada em 1.260 estudantes, também houve  movimentação de alunos e professores.
O director,  Miguel de Lima Domingos,  disse que  os alunos apareceram com toda a ansiedade para continuarem os   estudos, e os professores retomaram o  trabalho sem constrangimentos e com espírito profissional.
 Alexa SonhiAs escolas do ensino geral, na província de Luanda, retornaram as aulas ontem, depois de terem  ficado paralisadas por uma semana devido à greve  convocada pelo Sindicato Nacional de Professores, que reclamam melhores condições de trabalho e salariais. 
O Jornal de Angola saiu à rua e constatou que em muitas escolas da capital os alunos e professores compareceram em massa  desde as primeiras horas da manhã.
No Largo das Escolas, no Distrito Urbano da Maianga, onde estão concentrados os maiores estabelecimentos de ensino geral da capital,  as batas brancas dos alunos saltavam à vista de transeuntes e automobilistas que circulavam pelas redondezas, o que indicava o regresso às aulas.
Na escola Ngola Kiluanji, que tem inscritos, este  ano lectivo, 7.687  alunos, o regresso às aulas aconteceu sem constrangimento algum, conforme garantiu ao Jornal de Angola, António Ernesto, director da escola.
António Ernesto disse que a direcção da escola Ngola Kiluanji  está feliz  por notar um movimento normal  como se não tivesse saído de uma greve. "As salas de aula estão  abarrotadas, como sempre, muitos professores compareceram e cobriram o seu tempo lectivo com normalidade".
 Na escola Nimi a Lukeni, localizada no Distrito Urbano do Rangel,  com uma população estimada em 1.260 estudantes, também houve  movimentação de alunos e professores.
O director,  Miguel de Lima Domingos,  disse que  os alunos apareceram com toda a ansiedade para continuarem os   estudos, e os professores retomaram o  trabalho sem constrangimentos e com espírito profissional.

Tempo

Multimédia