Sociedade

Angola cria posto contra o coronavírus

O Ministério da Saúde instalou, ontem, no Aeroporto Internacional 4 de Fevereiro, um aparelho para rastrear passageiros que sejam eventuais portadores do coronavírus que já provocou dezassete mortes na China, uma no Brasil e um doente em estado grave também no Brasil.

Fotografia: DR

O secretário de Estado para a Saúde, Franco Cazembe Mufinda, entrevistado pela Televisão Pública de Angola, explicou que mais aparelhos serão colocados noutros aeroportos e portos do país, onde se regista grande movimentação de passageiros.
Um técnico do Ministério da Saúde, que falou para a estação televisiva, explicou que, à entrada e saída de passageiros, o aparelho mede a temperatura e, caso o termómetro marque mais de 40 graus o indivíduo torna-se suspeito.
Além do sintoma de alta temperatura a doença, segundo o secretário de Estado confunde-se, inicialmente, com gripe e dores na garganta. Como prevenção, aconselhou as pessoas a lavarem as mãos com água e sabão azul. O Ministério da Saúde providenciará estes meios nos pontos de entrada e saída do país. O coronavírus foi descoberto em 1960 em animais como camelos e outros da mesma família.

Precauções na China
As ligações ferroviárias a Ezhou, cidade com cerca de um milhão de pessoas, ficam interrompidas durante um período indeterminado, informaram as autoridades locais, depois de terem colocado as cidades vizinhas de Wuhan (11 milhões de habitantes) e Huanggang (7,5 milhões) também sob quarentena.
O vírus foi inicialmente reportado em Wuhan, no mês passado, e já matou 25 pessoas. As autoridades consideram que o país está no ponto "mais crítico" no que toca à prevenção e controlo do vírus.
Há mais de 600 pessoas infectadas só no continente chinês e foram já detectados casos no Japão, Tailândia, Taiwan, Hong Kong, Coreia do Sul, Estados Unidos e Macau. Ficou comprovado que o vírus se transmite sobretudo nas vias respiratórias. “Já há casos de infecção entre funcionários de Saúde”, disse um responsável da Saúde da China. Há pelo menos 15 médicos, em Wuhan, infectados depois de terem estado em contacto com pacientes.

Tempo

Multimédia