Sociedade

Angola e China reforçam cooperação no domínio da formação profissional

Edivaldo Cristóvão

Angola e China reforçaram ontem, em Luanda, a cooperação no domínio da formação profissional e da Administração Pública, através de programas para formação de formadores e qualificação de técnicos que trabalham no sector público e empresarial.

Ministro do MAPTSS, Jesus Maiato, (à esquerda) disse que a visita às instalações serviu para o embaixador avaliar o sector
Fotografia: | Edições Novembro

O acordo foi rubricado pelo ministro da Administração Pública, Trabalho e Segurança Social, Jesus Maiato, e o embaixador da China em Angola, Gong Tao, durante visita às instalações da Escola Nacional de Administração e Políticas Públicas (ENAPP) e ao Centro Integrado de Formação Tecnológica (Cinfotec).
Jesus Maiato disse que a visita às instalações serviu para o embaixador identificar e avaliar o sector, quer na formação, quer no público e empresarial. “Sabemos que a China é uma potência mundial, tem um histórico positivo no que concerne ao planeamento estratégico e desenvolvimento. Angola também tem programas de planeamento a longo prazo e queremos que os nossos funcionários públicos e do sector empresarial que ocupam cargos de direcção tenham uma visão, além de outras potencialidades”, disse o ministro.
No domínio da formação profissional, concretamente tecnológica, o ministro disse que a cooperação com China existe há muitos anos, mas era dominada pela sua mão-de-obra. Sublinhou, por isso, ser preciso qualificar cada vez mais os angolanos, para poderem contribuir positivamente para o desenvolvimento do país.
O governante referiu que o Cinfotec vai estabelecer uma parceria com os institutos politécnicos da China, com o objectivo de dar aos melhores alunos a possibilidade de fazerem estágios e, por outro lado, permitir a vinda de formadores chineses no país.
“O objectivo é criar capacidade interna para termos docentes competentes. O embaixador gostou muito do que viu e, no domínio da cooperação, vão passar a reequipar e fornecer equipamentos com tecnologias actuais”, disse.
Uma das grandes dificuldades apontadas pelo ministro no sector da formação profissional é a carência de formadores, mas garantiu que o sistema abriu, recentemente, concurso público para mais 300 em todo o país, apontando que o Cinfotec tem prioridade com um número significativo.
Jesus Maiato referiu que o Cinfotec formou, em dez anos, cerca de 15 mil quadros, quer em cursos de curta duração, quer de longa, que tem tempo de 700 a 900 horas.
O ministro explicou, por outro lado, que o Maptess tem um plano de contingência para minimizar a carência de materiais consumíveis em algumas províncias, uma vez que enfrenta algumas dificuldades, em função de alguns cortes que sofreu no Orçamento Geral do Estado (OGE).
O governante salientou que o Plano de Acção de Promoção para a Empregabilidade é a esperança da juventude, com o qual todos estão motivados e esperançoso em que arranque o mais breve possível.
O embaixador da China, Gong Tao, considerou que a cooperação vai servir para o desenvolvimento sustentável de Angola, tendo em conta que a formação profissional e melhor funcionamento da função pública constituem alicerces fundamentais.

Tempo

Multimédia