Sociedade

Bairros fustigados pela chuva recebem visita do governador

João Dias

A secretária do Presidente da República para os Assuntos Sociais, Fátima Viegas, defendeu ontem, em Luanda, o ressurgimento da figura do assistente social com vista ao reforço da sensibilização e educação das populações rurais e das zonas periféricas da cidade.

Belo Monte, em Cacuaco, foi um dos locais visitados
Fotografia: Contreiras Pipa | Edições Novembro

Fátima Viegas lançou o repto durante a visita à família que viu os filhos gémeos falecerem em consequência das fortes chuvas que se abateram sobre Luanda, na última segunda-feira. “Já somos tão poucos para existirem mortes deste género”, lamentou Fátima Viegas, apelando para o reforço das campanhas de sensibilização às famílias que residem em zonas de risco, como as do Belo Monte, município de Cacuaco. 
Fátima Viegas também pediu o reforço da formação dos munícipes para a cidadania, e endereçou palavras de encorajamento ao pai dos meninos falecidos.
“O Chefe de Estado está preocupado com situações deste tipo e com as últimas ocorrências”, disse a secretária do PR. O governador de Luanda, Adriano Mendes de Carvalho, anunciou que Diogo Miguel António, pai das crianças mortas pela chuva, vai beneficiar em breve de um terreno com a respectiva documentação, numa zona segura e urbanizada, uma acção que pode estender-se, igualmente, às 50 famílias que vivem ao longo da linha de água do Belo Monte.
Os terrenos estão preparados, mas o governador não precisou o local nem a data para a entrega aos sinistrados. “O objectivo é retirá-los do local o mais breve possível para evitar que as próximas chuvas provoquem mais vítimas”, garantiu Adriano Mendes de Carvalho, que  aproveitou a ocasião para apelar aos presentes sobre o perigo das construções em zonas de risco.
Durante a sua estada no Belo Monte, Adriano Mendes de Carvalho e Fátima Viegas prestaram solidariedade a duas outras famílias, que viram seus filhos de 6 e 8 anos morrerem num tanque-reservatório de água. O facto ocorreu na quinta-feira, mas os corpos dos dois petizes foram encontrados ontem.
Ainda ontem, no quadro das visitas de constatação, o governador de Luanda e a secretária do PR para os Assuntos Sociais visitaram o Hospital do Capalanga, onde está internada a esposa de Diogo Miguel António com o bebé de oito meses, irmão dos gémeos, que sobreviveu às enxurradas.
No hospital estão também outras vítimas da chuva.  A visita de Fátima Viegas terminou no Hospital do Capalanga. Mas Adriano Mendes de Carvalho prosseguiu, tendo visitado o município do Cazenga e de Icolo e Bengo.

Belo Monte
O local do sinistro, "Belo Monte" já é apelidado de bairro do lodo, pois é constituído por um terreno de areias movediças. Basta uma chuva para torná-lo num extenso “vale lamacento”.
No bairro 50 famílias construíram casas precárias na linha de água. Diogo Miguel António, pai dos gémeos, construiu a sua casa no vale lamacento. No dia em que aconteceu o infortúnio, uma das paredes da casa cedeu à pressão das águas. Isto por volta das 14 horas. E o inesperado aconteceu: a morte das crianças. Quando os vizinhos se aperceberam já o casal de gémeos estava morto e só foram a tempo de socorrer o bebé de oito meses e a irmã de 20 anos, que cuidava dos mesmos. Os pais na altura do sinistro encontravam-se ausentes de casa. 

Tempo

Multimédia