Sociedade

Bebé abandonado na Funda recebe tratamento médico

Alexa Sonhi

O recém-nascido abandonado na mata dentro de um saco preto pela avó, na presença da mãe por, alegadamente, ser um bebé maligno, na comuna da Funda, município de Cacuaco, está a receber tratamento no Hospital Pediátrico David Bernardino.

Recém-nascido abandonado na Funda está internado no Hospital Pediátrico David Bernardino
Fotografia: Contreiras Pipa | Edições Novembro

O bebé, que tinha apenas dois dias de vida, foi encontrado a chorar de madrugada com picadas de insectos no corpo, por um casal de camponeses que circulava pela zona às 04h00 da madrugada, que de imediato chamou a Polícia que o transportou para o centro de saúde mais próximo.

Já no centro e sem saber de quem era o bebé, as enfermeiras levaram-no à Igreja Católica para o padre local o abençoar, tendo posteriormente sido entregue às madres.
Mas como o recém-nascido tinha sido picado por insectos durante o tempo que ficou na mata, a madre, agentes da Polícia Nacional e o soba grande da Funda levaram-no ao Hospital Pediátrico David Bernardino, onde se encontra até hoje a receber cuidados na área de neonatologia.
De volta à comuna da Funda, o soba grande, José Soto Maio, convocou uma reunião na comunidade. Por fim, a mãe da criança acabou por confessar o acto a uma das madres, acusando a avó materna de ter deitado o bebé no capim, por orientação de uma quimbanda. Esta terá dito que a gestação era um bicho, logo, devia ser eliminado para evitar outros problemas na família. Imediatamente, a madre informou à Polícia e tanto o kimbanda como a avó e a mãe do recém-nascido já se encontram detidos na esquadra do Comando Municipal de Cacauco.
De acordo com o depoimento de mãe e filha, mesmo depois de o bebé ter nascido com saúde e sem nenhuma má formação congénita, o kimbanda insistiu em dizer à mãe do bebé e à avó queera uma criança maligna, tinha de ser eliminada.
Domingas Afonso, avó do bebé, disse que teve medo e decidiu deitar a criança na mata para evitar que fizesse algum mal aos demais netos que viviam em casa.
O kimbanda, identificado como Ngueve Upale, negou a acusação. Disse que as duas senhoras sabiam desde o início que se tratava de uma gestação, mas a avó pediu para abortar por desconhecer o autor da gravidez já que a filha estava separada do marido há quase um ano.
Em meio a tantas explicações, o facto é que os três estão detidos e, dentro de dias, vão ser apresentados ao Ministério Público, segundo o sub-comissário José Amaro Franco, do Comando da Polícia Nacional em Cacuaco.
O chefe do Gabinete dos Serviços Sociais do Hospital Pediátrico, Hermenegildo de Castro, afirmou que o recém-nascido chegou fragilizado à unidade hospitalar. Informou que, depois de se aferir o real estado de saúde da criança, vai ser entregue ao Gabinete Provincial da Acção Social.

Mais crianças abandonadas

Segundo Hermenegildo Castro, anualmente, aparecem no Hospital Pediátrico cerca de 10 a 12 crianças abandonadas pelos pais.
A título de exemplo, além do recém-nascido abandonado na Funda, está também na área de neonatologia do Hospital Pediátrico uma bebé de quatro meses abandonada lá pela mãe no dia 12 de Dezembro.
De acordo com Hermenegildo de Castro, a criança nasceu com uma má formação congénita que afectou as pernas e os rins. A mãe deu entrada no hospital para a filha ser tratada e disse que ia sair para comprar alguma coisa para comer e nunca mais voltou.
“Tentámos ligar para o contacto que estava no processo da bebé, ela atendeu e ao aperceber-se de que era do hospital desligou o telefone. Até hoje, não sabemos como localizá-la. Estamos com a criança, mas dentro em breve vai ser entregue ao Gabinete de Acção Social”, salientou.

Tempo

Multimédia