Sociedade

Catalogados répteis do país

O Ministério do Ambiente anunciou ontem em Luanda o lançamento, ainda este ano, do primeiro Atlas Herpetofauna do país, colectânea dedicada ao estudo de anfíbios e répteis, incluindo a sua localização.

Especialistas trabalham nos últimos detalhes do primeiro mapa de répteis e anfíbios do país
Fotografia: Reuters

O director do Instituto Nacional da Biodiversidade e Áreas de Conservação do Ministério do Ambiente, Abias Huongo, disse que o Atlas Herpetofauna de Angola já foi elaborado, estando em fase de revisão para a sua posterior publicação.
O Atlas, de acordo com Abias Huongo, contém dados sobre as espécies de répteis e anfíbios catalogados e georreferenciados até agora, incluindo aquelas que foram registadas durante o período colonial. O Instituto Nacional da Biodiversidade e Áreas de Conservação do Ministério do Ambiente estima em 110 o número total de espécies de anfíbios (sapos e rãs) em Angola, mas pode subir para 300 se forem incluídos répteis como tartarugas, crocodilos, lagartos e serpentes.
“Este número encontra-se em constante crescimento, com as novas expedições que têm sido realizadas em várias regiões do país, para a descoberta cada vez mais de novas espécies”, sublinhou Abias Huongo.
Uma equipa de cientistas angolanos, portugueses, britânicos e sul-africanos descobriu recentemente uma nova espécie de lagarto na província do Namibe. A espécie descoberta no deserto do Namibe foi baptizada lagarto-espinhoso-do-Kaokoveld (Cordylus namakuiyus).
Para os próximos três anos, estão programadas mais seis expedições, no quadro da protecção de conservação das mais variadas espécies, tanto de répteis como de anfíbios.
“A situação dos répteis e anfíbios em Angola é considerada por um  conjunto de endemismo e desconhecimento de algumas espécies, mas o quadro geral é positivo e animador para novas pesquisas”, considerou Abias Huongo.
Antes do lançamento do Atlas de répteis e anfíbios do país, o Ministério do Ambiente publica, ainda este mês, um Atlas Hepertofauna da província de Malanje, concretamente, do Parque Nacional de Cangandala.

Tempo

Multimédia