Sociedade

Centro Ortopédico produz 24 próteses

Victor Pedro e Casimiro José | Sumbe

O Centro Ortopédico do município do Amboim, adstrito ao Hospital Regional da Gabela, no Cuanza-Sul, reaberto, na terça-feira e passa a produzir 24 próteses, por mês, para membros superiores e inferiores.

Ministra da Saúde garante envidar esforços para o êxito do centro
Fotografia: Victor Pedro e Casimiro José | Sumbe

Reaberto na terça-feira pela ministra da Saúde, Sílvia Lutukuta, o centro, que esteve fechado, desde Fevereiro, período da reabilitação e apetrechamento, volta a atender pacientes, sobretudo com dificuldades de locomoção.
Completamente reabilitado, o centro possui equipamentos modernos que custaram aos cofres do Estado 103 milhões de kwanzas.
O director do Centro Ortopédico do Amboim, Domingos Augusto dos Santos, disse que com a remodelação feita, o Centro de Reabilitação Física passa a produzir mensalmente 24 próteses para membros superiores e inferiores. Além disso, acrescentou, a unidade sanitária dispõe de sala de internamento com capacidade para 24 pacientes.
O centro possui uma área fabril repartida por sectores, como produção, acabamento e ginásio. Os serviços são assegurados por três técnicos especializados em ortopedia e próteses, bem como em assistência social.
Domingos dos Santos disse acreditar no funcionamento pleno do centro e informou que parte da matéria-prima vem da Alemanha, enquanto o gesso e cola vão ser adquiridos localmente com fundos alocados pelo Executivo.
A ministra da Saúde saudou o esforço de todos os que estiveram envolvidos na reabilitação da infra-estrutura, que permitiu o arranque de uma produção permanente de próteses.
A governante disse que o centro é o terceiro a ser reabilitado no país, no quadro do programa do Executivo, depois de Luanda e Moxico.
A infra-estrutura existe desde 2005 e ficou paralisada por mais de cinco anos, por razões técnicas e financeiras. Sílvia Lutukuta garantiu continuar a envidar esforços para garantir que o centro ortopédico funcione sem dificuldades em matérias-primas para o fabrico de outros acessórios de apoio às pessoas portadoras de deficiência.
A titular da pasta da Saúde garantiu, por outro lado, reforçar o sector com médicos de família, mas, para tal, espera contar com médicos cubanos para aproximar a assistência médica das comunidades, assim como diminuir o défice de quadros por especialidade que o país enfrenta.
Como preocupação, a ministra falou do envolvimento dos sectores da Saúde e da Administração do Território e Reforma do Estado na criação de condições para a acomodação dos quadros que vão trabalhar nas províncias.

Tempo

Multimédia