Sociedade

Chuva levou à Ilha do Cabo enorme quantidade de lixo

Armindo Pereira

As últimas chuvas que caíram sobre a capital do país, na semana passada, arrastaram para o litoral da Ilha do Cabo, em Luanda, enormes quantidades de resíduos sólidos, situação que preocupou os atletas e responsáveis da Federação Angolana de Desportos Náuticos (FADEN), durante o Campeonato Africano de Vela, encerrado no sábado.

Apesar dos esforços das empresas de limpeza e saneamento encarregadas de manter aquele perímetro limpo, os resíduos sólidos provenientes das valas de drenagem a céu aberto dos bairros Benfica, Katinton e Samba, eram devolvidos à beira mar pelas ondas.
Em declarações ao Jornal de Angola, a presidente do órgão reitor dos Desportos Náuticos, Olga Albuquerque, lamentou o facto de as delegações estrangeiras e não só se depararem com um cenário que descaracteriza a beleza da contracosta e da Baía.
“A nível do ambiente e ecologia não é nada agradável. É um problema de fundo de conhecimento das nossas autoridades”, lamentou. Importa realçar que este cenário tem sido recorrente durante a época chuvosa.
Para Nuno Gomes, presidente do Conselho Técnico da FADEN, a solução passa por se colocar redes nestas valas de drenagem, como acontece em muitos países.
Por outro lado, especialistas do meio ambiente defendem campanhas de sensibilização junto das populações que vivem próximo destes canais, cuja função é unicamente drenar as águas.

Tempo

Multimédia