Sociedade

Colisão faz 5 mortos em viatura ligeira

Nhuca Júnior

Uma colisão entre duas viaturas, ocorrida sábado à noite, junto à centralidade Km44, no município de Icolo e Bengo, província de Luanda, matou cinco pessoas, três das quais da mesma família.

Acidentes nas vias têm causado a dor e o luto às famílias
Fotografia: Dr

As vítimas mortais viviam na centralidade Km44 e regressavam a casa numa viatura ligeira de marca Peugeot, modelo 206, que colidiu contra um Toyota Land Cruiser, a bordo do qual estava apenas o motorista, que saiu ileso.

A mulher do motorista do Peugeot 206 é o único sobrevivente entre os ocupantes da viatura ligeira e recebe, desde a madrugada de domingo, assistência médica no Hospital Américo Boavi-da, para onde foi transferida depois de ter dado entrada no Hospital do Capalanca, com politraumatismo, sobretudo, cranioencefálico.
No local do acidente, a mulher teve uma paragem cardíaca e foi reanimada por técnicos do Instituto Nacional de Emergências Médicas de Angola (INEMA), que a transportaram depois para o Hospital do Capalanca, que decidiu transferi-la, devido à gravidade dos ferimentos, para o Hospital Américo Boavida.
As cinco vítimas mortais são dois adultos – o motorista e um amigo - e três crianças, duas das quais parentes do casal, sendo um filho e uma sobrinha. A colisão, ocorrida quatro dias depois de ter havido no local mais um atropelamento mortal, dá ainda mais consistência à preocupação dos habitantes da centralidade Km 44, que defendem o alargamento do “troço da morte”, como lhe têm chamado, por não ter recebido obras de ampliação, continuando até hoje estreito e sem iluminação pública.
Sem separador central, o troço começa no Km 40, no sentido Luanda-Catete, depois do Novo Aeroporto Internacional de Luanda e é percorrido com muita apreensão, porque motoristas negligentes, de viaturas ligeiras e pesadas, fazem manobras perigosas, como ultrapassagens irregulares, e não respeitam a informação de redução de velocidade.
O “troço da morte” pertence à Estrada Nacional 230, que recebeu, no trajecto Luanda-Catete, obras de ampliação, estando agora, até ao quilómetro 40, com três faixas de rodagem em cada sentido e um separador central. O trabalho de ampliação não tem, por agora, uma previsão de continuidade, a julgar pela informação colocada pelo empreiteiro, a empresa Carmon Restrutura, segundo a qual a “obra termina aqui”, referindo-se ao quilómetro 40.

Tempo

Multimédia