Sociedade

Comandante julgado por matar e ferir dois colegas

André da Costa

O comandante da Polícia Nacional do distrito urbano do Patriota, município de Talatona, superintendente João Lourenço Neto Júnior, 50 anos, está a ser julgado no Tribunal Militar, em Luanda, por ter matado, em Março do ano passado, com disparo de arma de fogo, o agente da Corporação, Fernando António, 43 anos, e ferido na mesma acção mais dois efectivos.

Fotografia: DR

O julgamento está a decorrer, desde sexta-feira, nas instalações do Instituto Superior de Ciências Policiais e Criminais “Osvaldo de Jesus Serra Van-Dúnem, e está a ser orientado pelo juiz do Tribunal Militar da Região Militar Luanda, tenente coronel, Luís Mateus Rúben”.
João Neto Júnior é acusado de violência contra inferior hierárquico, de que resultou em morte, facto ocorrido a 13 de Março de 2018, no distrito urbano do Patriota.
Além da morte do agente Fernando António, o réu é acusado de ter efectuado vários disparos que atingiram outros dois efectivos da Polícia Nacional nomeadamente, o inspector Nascimento Livamba e o agente Baptista Bai.
De acordo com a acusação, João Neto Júnior a bordo da sua viatura de marca Hyundai, encontrou o subinspector Nascimento Livamba, em serviço, e ordenou que entrasse na viatura, sem dizer o destino.
No meio do trajecto pelo bairro do Patriota, juntou-se a ele o subinspector do SIC, Levítico António, rumando a seguir para a “Casa das Bifanas”, onde consumiram quantidades indeterminadas de vinho.
De noite, e já com o comandante embriagado, Nascimento Livamba pediu para conduzir o Hyundai deste e seguiram até ao Posto Policial do Patriota, onde o inspector-chefe João Calenga, disponibilizou uma viatura de marca Suzuki Jimny para levar João Neto Júnior até a casa, no bairro do Kapolo 2, atendendo ao estado ébrio do chefe.
O agente Fernando António solicitou boleia, uma vez que vivia no Golfe. No meio do trajecto, o comandante sob pretexto de querer urinar, ordenou o estacionamento, acto também evidenciado pelos agentes que seguiam noutra viatura.
Já fora da viatura, João Neto Júnior sacou a pistola e efectuou vários disparos que atingiram Fernando António, na cabeça e pescoço, tendo morte imediata, enquanto que Nascimento Livamba e Baptista Bai foram alvejados com três tiros cada, em várias partes do corpo.

Tempo

Multimédia