Sociedade

Conselho da Juventude promete dirimir conflito

César André

O Conselho Nacional da Juventude (CNJ) comprometeu-se ontem, em Luanda, a mediar o conflito laboral, entre a administração do Caminho-de-Ferro de Luanda (CFL) e a comissão sindical, que resultou numa greve que já se arrasta há um mês.

Grevistas do CFL aguardam pelo desfecho do caso
Fotografia: Contreiras Pipa| Edições Novembro

O desejo foi manifestado pelo responsável do Conselho Nacional da Juventude du-rante um encontro que manteve com a comissão sindical dos trabalhadores do CFL, que serviu para analisar assuntos ligados à situação social dos grevistas.
Em contacto telefónico, o porta-voz do sindicato dos trabalhadores do CFL, Lourenço Contreiras, considerou proveitoso o encontro e disse que, no decorrer da semana, os membros do Conselho Nacional da Juventude prometem reunir-se com a entidade empregadora para se encontrar uma solução do conflito.
“Vamos aguardar pelas negociações e acreditamos que teremos resultados satisfatórios para se encontrar uma solução pacífica”, disse Lourenço Contreiras.
A greve dos trabalhadores do Caminho-de-Ferro de Luanda despoletou há um mês. Um dos pontos discordantes, dos 19 que constam do caderno reivindicativo apresentado à direcção, tem a ver com o aumento de salário na ordem dos 80 por cento e a melhoria das condições de trabalho.
Neste particular, a empresa alega não ter condições para satisfazer o desejo dos trabalhadores, apesar de a instituição receber um subsídio operacional do Orçamento Geral do Estado, mas que não permite fazer esse exercício de aumento salarial.
Depois dos tumultos registados na semana passada, por falta de entendimento, os grevistas, até ao momento, continuam sem saber por onde se posicionar com segurança no período de greve. Mas, en-quanto isso, decidiram juntar-se nas proximidades das oficinas gerais no Tunga Ngó, Distrito Urbano do Rangel.

Tempo

Multimédia