Sociedade

Covid-19: Angola com mais 62 casos positivos e um óbito

Xavier António

Nas últimas 24 horas, Angola registou 62 infecções, cifra nunca antes alcançada, desde o início da pandemia, em Março, superando os números anteriores de 32. Com novos infeccionados, o número sobe para 458 casos confirmados da Covid-19.

Ministra da Saúde, Sílvia Lutucuta.
Fotografia: Edições Novembro| Arquivo

O anuncio foi feito, ontem, em Luanda pela ministra da Saúde. De acordo com Sílvia Lutucuta, ontem também houve o registou registo de uma morte, referindo que se trata de um cidadão 41 anos, em estado crítico e estava internado, há vários dias, num dos centros de tratamento.

A também porta-voz da Comissão Multissectorial, que fala em conferência de Imprensa de actualização de dados, esclareceu, ainda, que dos casos positivos, 12 são homens, os restantes mulheres, com idades entre dois e 59 anos.  A ministra disse que infectados resultaram dos rastreios realizados nos centros sentinelas, aos contactos de casos positivos, rastreios de passageiros e, também, aos vários aglomerados, como mercados e a Polícia Nacional.

Talatona, Belas, Cazenga, Viana, Kilamba-Kiaxi e o Distrito Urbano da Ingombota continuam a ser as zonas mais afectadas pela pandemia.
Sílvia Lutucuta indicou que, com os novos casos, o país soma 458 infectados, 23 óbitos, 117 recuperados e 319 doentes activos.

Testagem em massa

A ministra da Saúde explicou que, quanto à testagem aleatória em massa, foi reforçada nos últimos dias, tendo em conta os conglomerados de alto risco. Sublinhou que ontem 2.875 pessoas foram testadas, das quais 1.500 no mercado do Kikolo, mil no "30" e 375 na província do Cuanza-Norte. Em relação aos resultados no mercado do Kikolo, disse que foram colhidas 87 amostras reactivas, das quais 16 IGM e 71 IGG.

No mercado tivemos 26 amostras reactivas, sendo três IGM, uma IGGM e 26 amostras IGG. Já no Cuanza-Norte foram diagnosticadas 14 amostras reactivas, 12 IGG e duas IGM.

Durante a sua intervenção, a ministra esclareceu que se trata de testes serológicos, que servem para rastreios e detecta ar anticorpos relacionados com a Covid-19. Acrescentou que quando o resultado for IGG-IGM, há grande probabilidade de se ter doença activa. O e IGG significa que a pessoa já teve contacto com o vírus e que pode estar já imunizado.

Para a ministra da Saúde, todos casos reactivados IGM estão a ser levados, numa primeira fase, para quarentena e a ser testados por outro método para se aferir o resultado de biologia molecular, através do RT-PCR com a zaragotoa."A testagem aleatória continua e, ontem, alargou-se a algumas unidades da Polícia Nacional, pelo facto de estarem diariamente expostos e a interagirem com muita frequência com os cidadãos", disse.

Hoje, as autoridades sanitárias vão dar sequência do rastreio no bairro Mártires do Kifangondo, entre as ruas 16 e 20. Segundo a governante, Algumas províncias, também , já estão a efectuar rastreios, e disse que há informações de cinco testes reactivos na província da Huíla, cuja amostras, para o exame de biologia molecular, já estão em Luanda e em processamento.

A ministra reconheceu, por outro lado, os congestionamento registado ontem nas saídas de Luanda, mas os Ministérios do Interior e da Saúde tudo fazem para ultrapassar tal dificuldade, colocando um posto avançado móvel de testagem nas principais saídas para testar motoristas. Hoje serão criadas as condições para a realização de testes na Escola Nacional de Saúde Pública, junto à Clínica Multiperfil, com capacidade para efectuar 200 testes por dia, número que poderá vir aumentar.

A ministra esclareceu que os visados são pessoas devidamente credenciadas e que, por razões de força maior, têm de viajar ou sair da capital para outras províncias. "Não podem deslocar-se à essa unidade no dia da viagem, é sempre bom antecipar pelo menos um dias para a realização do teste", apelou.

Tempo

Multimédia