Sociedade

Covid-19 faz mais dois mortos e 24 infectados

Alberto Pegado e Xavier António

Dois mortos e 24 infecções, seis dos quais sem vínculo epidemiológicos, foram registados, ontem, no país. Com novos casos da Covid-19, Angola passa a contar com 315 pessoas contaminadas e 17 óbitos. Os dados foram avançados, em Luanda, pelo secretário de Estado para a Saúde Pública.

Fotografia: DR

 

Franco Mufinda esclareceu que os infectados foram confirmados nas zonas da Maianga, Ingombota, Belas, Samba, Talatona. Dos 24 contaminados, 18 são de transmissão local, associados aos casos já apresentados, e seis sem vínculo epidemiológico.

Na tradicional sessão de actualização de dados da Covid-19, no Centro de Imprensa Aníbal de Melo, o secretário de Estado falou, ainda, dos dois pacientes que faleceram. O primeiro esteve, há alguns dias, internado na Clínica Girassol, em estado crítico e padecia de outras doenças de base, como hipertensão arterial e diabetes. Trata-se de um cidadão angolano, de 67 anos.
A segunda vítima mortal, acrescentou, é, também, angolano, 54 anos, com passagem pelo Hospital Militar, em Luanda. Diagnosticado com diabetes, o paciente mereceu assistência médica logo à entrada, onde, “infelizmente, acabou por falecer”.

O governante informou que, dos 24 casos, 15 são do sexo feminino e nove masculino, com idades entre os 10 e 69 anos. Salientou que, nesta altura, o país conta com 49 casos sem vínculo epidemiológico e 250 de transmissão local.
Dados do Boletim Informativo do Ministério da Saúde indicam que a província do Cuanza-Norte, a segunda com casos positivos, conta com sete casos positivos, dos quais dois recuperados e um óbito.

Nas últimas 24 horas, foram processadas 436 amostras, 24 positivas e 412 negativas. O total de amostras recebidas e processadas pelos laboratórios, até ao momento, subiu para 26.567, das quais 315 positivas, 20.265 negativas e 5.987 em processamento.
De acordo com o secretário de Estado, na quarentena institucional foram entregues, ontem, 49 altas, 38 em Luanda, quatro na Huíla e Malanje, e uma no Bié, Moxico e Huambo.

Acrescentou que, 515 casos suspeitos foram investigados, enquanto 2.215 contactos estão sob vigilância. Há ainda o registo de 1.322 cidadãos a cumprir quarentena institucional.
O Centro de Segurança Pública (CISP) recebeu 102 chamadas, das quais três denúncias de violação da quarentena e do Estado de Calamidade e 98 relacionadas com pedidos de informações sobre a Covid-19.

Evitar o risco

O secretário de Estado para a Saúde Pública reiterou a revisão das condutas individual e colectiva e o cumprimento escrupuloso das medidas de prevenção, como a lavagem das mãos, uso de máscara facial e distanciamento físico.
Entre as medidas, constam ainda a não violação das cercas sanitárias e o acatamento das normas contidas no Decreto sobre o Estado de Calamidade Pública. “Vamos repensar a nossa conduta e atitudes que nos expõem, cada vez mais, aos riscos. A Covid-19 mata e há três dias que temos reportado óbitos”.

Franco Mufinda informou que, ontem, as autoridades sanitárias deram início a um trabalho de comunicação, que visa a educação das pessoas nas comunidades. Sublinhou que o mesmo conta com a inclusão de lideranças juvenis, com foco na divulgação de mensagens curtas, concisas para prevenir a contaminação da Covid-19.

Sobre as actividades nas províncias, destacou a acção de capacitação, na província do Huambo, dirigido a técnicos em matéria de medidas de prevenção da Covid-19 e gestão de casos, no município com o mesmo nome.
No Cunene, foi feita à distribuição de panfletos e cartazes sobre as medidas de prevenção da pandemia, em mercados e paragens de autocarros, no Cuanhama. Já no Uíge, houve a promoção de uma acção de capacitação destinada a líderes religiosos e autoridades tradicionais sobre as medidas de prevenção, no município de Mucaba.

Na Lunda-Sul, procedeu-se à distribuição de meios de higienização nos postos e centros de Saúde, do município do Cacolo. Em Benguela, decorreu uma acção de capacitação de técnicos de Saúde sobre medidas de biossegurança, nos municípios do Chongoroi e Lobito.

Tempo

Multimédia