Sociedade

Covid-19: Professores retidos em Luanda começam a ser testados em breve

Mazarino da Cunha e Edivaldo Cristóvão

Os professores das demais províncias do país, retidos em Luanda por força das restrições impostas no âmbito das medidas de prevenção e combate à Covid-19, vão ter prioridade na testagem, garantiu, ontem, em Luanda, o secretário de Estado para a Saúde Pública, Franco Mufinda.

Secretário de Estado para a Saúde Pública, Franco Mufinda.
Fotografia: Miqueias Machangongo| Edições Novembro

Ao falar no habitual encontro com os jornalistas sobre e evolução da pandemia em Angola, Franco Mufinda informou que no momento oportuno o Ministério da Saúde vai anunciar a data e o local para a realização da testagem.  Em relação à testagem dos professores do ensino geral de Luanda, que teve início ontem, o secretário de Estado garantiu que o processo vai continuar hoje, prevendo-se colher 1.500 amostras, ou seja, o mesmo número de ontem. 

De acordo com o secretário de Estado, das 1.500 amostras recolhidas ontem, no Largo das Escolas, 806 foram do sexo masculino e 624 do sexo feminino.
Nas últimas 24 horas,o país recuperou 108 pacientes, registou 67 novos casos e a morte por Covid-19 de quatro cidadãos nacionais do sexo masculino, residentes em Luanda, com idades compreendidas entre 47 e 64 anos.

Franco Mufinda esclareceu que das 108 recuperações registadas ontem, 93 ocorreram em Luanda, nove em Benguela, quatro no Moxico, um no Bengo e igual número na província da Huíla.  No que diz respeito às novas infecções, Franco Mufinda explicou que 62 foram notificadas em Luanda, quatro em Benguela e uma no Bengo.

Na capital do país, os municípios de Belas, Cazenga, Cacuaco,Viana, Ki-lamba Kiaxi, Talatona e os distritos da Ingombota, Maianga e Rangel foram os afectados.  Com os dados das últimas 24 horas, o país tem 4.972 casos confirmados, dos quais 183 óbitos, 1.941 recuperados e 2.848 activos. Deste número, nove estão em estado crítico a receber tratamento por ventilação mecânica invasiva, 18 em situação grave, 46 são considerados moderados, 95 com sintomas leves e 2.680 assintomáticos.

Aglomeração na testagem

O primeiro dia da testagem em massa dos professores de Luanda foi marcado por uma enorme enchente, tendo-se registado mesmo alguma desorganização. As autoridades sanitárias previam a testagem de 1.500 professores, mas no Largo das Escolas, junto ao INE-Marista, onde decorreu o acto, apareceu um número inesperado.

Professores defendiam que a testagem devia ser feita por municípios para evitar a aglomeração, mas as autoridades sanitárias adoptaram este método.
O secretário de Estado para a Saúde Pública, Franco Mufinda, que acompanhou o acto, realçou que os testes feitos aos professores de Luanda servem para avaliar o comportamento do vírus a esta classe.

Garantiu que estudos vão continuar a ser feitos de forma aleatória ao longo das aulas, em docentes e discentes. O processo prossegue hoje no mesmo local, devendo ser testados três mil professores nos dois dias.

Tempo

Multimédia