Sociedade

Crianças pedem inserção de programas infantis

Edna Mussalo

As crianças formadas em “técnicas de recolha, produção e apresentação de programas infanto-juvenis” apelaram ontem, em Luanda, para uma maior valorização, inserção em programas infantis e oportunidade de emprego na área, depois de atingirem a maioridade.

Formação debate o uso equilibrado da internet e programas
Fotografia: DR

Bruna Castro, estudante de 11 anos, disse, na abertura da formação, que é um dever da Comunicação Social estimular e dar a atenção que a criança necessita, referindo ser um direito que consta dos 11 compromissos da criança, assumidos pelos adultos em 2007 e que fazem parte dos princípios da Convenção da Criança.

“É necessário criar espaços de interacção para as crianças brincarem e outros de participação para podermos partilhar as nossas ideias”, precisou, para quem espera sair da formação com ferramentas necessárias e poder ajudar a dar voz às outras crianças. “Espero que com a formação nos tornemos, cada vez mais, sábios e conhecedores da matéria, pois promover os direitos da criança é construir Angola”, disse.
Promovida pelo Ministério da Comunicação Social e financiada pelo Fundo das Nações Unidas para a Criança (UNICEF), a formação visa orientar 50 crianças de várias províncias do país na área do jornalismo e conhecimento sobre os direitos da criança.
A formação constitui uma medida que permite equilibrar o uso da Internet e de programas infantis, vistos via satélite, tendo em conta o desaparecimento de programas infantis nas grelhas de programação nacional.
O secretário de Estado para a Comunicação Social, Celso Malavoloneke, considerou importante a formação do curso dirigido às crianças para o desenvolvimento de programas infantis que são pobres nos seus conteúdos. Acrescentando que o desafio de hoje é fazer com que as crianças façam programas competitivos e inovadores de teor nacional.

Tempo

Multimédia