Sociedade

Crimes violentos terão uma resposta adequada

André da Costa

Os crimes violentos praticados por marginais, em Luanda, vão ter uma resposta adequada por parte da Polícia Nacional, como manda a lei, garantiu o comandante provincial da corporação, comissário Eduardo Cerqueira.

Comandante provincial de Luanda da Polícia Nacional, comissário Eduardo Cerqueira
Fotografia: Vigas da Purificação | Edições Novembro

Falando ao Jornal de Angola e à Rádio Luanda, o comissário Eduardo Cerqueira mostrou-se preocupado com a onda de crimes violentos que tem assolado algumas zonas da capital, tendo afirmado que os autores quando detidos pela Polícia Nacional são responsabilizados criminalmente, de acordo com a lei vigente.

Para o comandante provincial de Luanda da Polícia Nacional, apesar da onda de crimes registados nos últimos dias, “os números da criminalidade na capital do país não aumentaram” e a corporação tem feito todos os esforços no sentido de manter a província segura.
A província de Luanda registou nos últimos dias várias mortes de cidadãos à saída de bancos comerciais, que, após o levantamento de dinheiro, foram seguidos por meliantes com armas de fogo, transportados por motorizadas.
Num vídeo que circula nas redes sociais, o comandante municipal da Polícia Nacional em Talatona, subcomissário Joaquim do Rosário, alertou os efectivos no sentido de tomarem medidas contra os meliantes que com armas de fogo assaltam e matam pacatos cidadãos.
“Somos forças da ordem, a nossa missão é reagir contra aqueles que querem alterar a situação de segurança em Talatona”, disse numa parada policial.
O psicólogo Fernandes Manuel frisou que o comportamento violento de qualquer indivíduo é sempre um sinal de manifestação de um estado de crise que o mesmo vive, ou seja, uma alteração do seu estado psico-emocional de algum défice de educação e valores que cultiva.
Considerou que só usa violência quem padece de alteração da estrutura da sua personalidade, como algum desejo, anseio, de acordo com a teoria dos criminosos cognitivo-comportamental.
“Quem usa a violência é porque aprendeu a ser violento, porque ninguém nasce violento. A mesma surge como resultado de algum desejo como, por exemplo, não satisfazer as suas necessidades ou não conseguir interiorizar os aspectos educativos do bem-fazer e outras boas práticas”, explicou o psicólogo.
Em relação à reincidência criminal de jovens que depois de permanecerem detidos ou condenados voltam a roubar ou matar, o psicólogo disse que a conduta reincidente faz parte dos criminosos habituais, considerando haver dois elementos que concorrem para tais situações.
Não sentir o efeito da penalização, fracasso no processo reabilitativo ou então padecer de algum transtorno de personalidade social são alguns dos elementos que concorrem para a reincidência criminal.
Autor de um livro sobre a problemática de crimes violentos, Manuel Fernandes explica que a obra versa sobre as diversas teorias relativas aos comportamentos violentos, nomeadamente o perfil e depoimentos de indivíduos que cometem crimes violentos.

Tempo

Multimédia