Sociedade

Cristãos lembram morte de Jesus Cristo

Carla Bumba e Mazarino da Cunha

O mundo cristão celebra hoje a Sexta-Feira Santa, também chamada de Sexta-Feira da Paixão. Neste dia, os cristãos lembram a morte de Jesus Cristo.

Cristãos vivem o luto pela morte de Jesus num clima de profundo respeito e meditação
Fotografia: António Soares | Edições Novembro

Trata-se de um feriado móvel, assim como a Páscoa, domingo em que os cristãos celebram a ressurreição de Cristo.
Essa data sucede o fim da Quaresma, período de penitência de 40 dias que começa a seguir ao Carnaval, na Quarta-feira de cinzas.
O feriado da Paixão de Cristo é o primeiro dos três dias que se celebra a ressurreição do Messias que, de acordo com a doutrina cristã, morreu na cruz para salvar os seres humanos dos seus pecados.
A Igreja Católica aconselha aos fiéis cristãos a fazerem algum tipo de penitência, como jejum e a abstinência de carne ou de qualquer acto que se refira ao prazer mundano.
Procissões e reconstituições da Via Sacra (caminho que Cristo teria percorrido ao carregar a cruz antes de morrer) são alguns dos rituais mais populares.
A adoração da cruz pelos católicos também é um símbolo que representa as tradições típicas da Sexta-Feira da Paixão. Muitos devotos costumam beijar os seus crucifixos em sinal de respeito e eterno agradecimento a Jesus, por ter se sacrificado em prol da Humanidade.
A Igreja chama de Tríduo Pascal os três dias mais fortes e últimos do Tempo da Quaresma: Quinta-feira, Sexta-feira e Sábado. Com a missa da Ceia do Senhor, celebrada na tarde de quinta-feira, a Igreja dá início ao chamado “Tríduo Pascal” e comemora a Última Ceia.
O padre Correia Hilário lembra que “foi na noite da última ceia quando Jesus Cristo foi entregue, ofereceu a Deus Pai o seu Corpo e Sangue, sob espécies do pão e vinho, e entregou aos apóstolos para que os tomassem, mandando-lhes também oferecer aos seus sucessores”.
A Sexta-feira e o Sábado Santo são os únicos dias do ano em que nenhuma igreja católica celebra missa. “A celebração da santa missa é feita apenas na noite de sábado, vigília pascal, já nas vésperas do Domingo de Páscoa da Ressurreição de Jesus Cristo”, referiu.
Salientou que o Domingo de Páscoa é o dia mais importante para a fé cristã, pois “Jesus vence a morte, ressuscita e mostra o valor da vida”.

Oração e meditação

Os metodistas consideram a Sexta-Feira Santa um dia especial para o arrependimento dos pecados cometidos durante o tempo comum, na relação com Deus. O reverendo Mateus Francisco, da Igreja Metodista do Oeste de Angola, disse ao Jornal de Angola que a Semana Santa é o momento em que “o cristão revive a dor, a tristeza, o desprezo, humilhação e a morte de Jesus”. Por isso, “o dia todo vai ser de oração e meditação”.
No silêncio e na simplicidade espiritual, os crentes são convidados a solidarizarem-se por Jesus, que morreu para salvar a Humanidade do pecado, frisou o reverendo, destacando o valor pela vida, do amor mútuo e da solidariedade entre os povos.
É uma tradição celebrar hoje a paixão e morte de Jesus, referiu o reverendo Mateus Francisco, que apela aos cristãos para dedicarem o dia a orações, cânticos de louvor e a contemplarem o jejum para reviverem o sofrimento de Jesus de forma pura.
Na Igreja Metodista, frisou, vive-se momentos de orações profundas, testemunhando a agonia que Jesus viveu até à morte. “O dia vai ser dominado por adorações com cânticos apropriados”.
O dia de amanhã, disse o reverendo, vai ser de silêncio pela morte de Jesus Cristo.
Para domingo, Mateus Francisco esclareceu que “a tristeza anteriormente dominada transforma-se em alegria, porque Jesus Cristo ressuscitou”. “A vida venceu a morte, salvando a Humanidade do pecado. No Domingo de Páscoa, o crente alegra-se, aclamando aleluia, o Senhor ressuscitou, aleluia.

Tempo

Multimédia