Sociedade

Desencorajada venda em locais impróprios

Os bens apreendidos na rua pelos serviços de fiscalização são levados às instituições de caridade, que fazem a distribuição para os centros com maior carência, disse ontem Ricardo Pascoal, dos Serviços de Fiscalização de Viana.

Venda de produtos em locais inapropriados é uma porta aberta a doenças
Fotografia: Eduardo Pedro | Edições Novembro

Ricardo Pascoal explicou que apenas são apreendidos os bens das pessoas que insistem em vender em locais proibidos ou mostram resistência em não querer sair das zonas interditas à venda, mas depois da aplicação de uma multa, no valor aproximado do preço do produto em causa, a mercadoria é devolvida. “E isto desencoraja algumas pessoas”, reconheceu. Ricardo Pascoal finformou que os fiscais têm sido submetidos periodicamente à formação para o bom desempenho das sua actividades.
As declarações foram feitas após uma campanha de sensibilização aos vendedores de rua realizada, no mercado do Quilómetro 30, no município de Viana, pela empresa Kilanssa Su, no quadro do seu projecto social.
Os vendedores foram sensibilizados no sentido de comercializarem os produtos nos mercados construídos pelo Governo. Segundo o director-geral-adjunto da Kilanssa Su, António Simão, em muitos locais foram colocadas placas de proibição de venda, mas as pessoas insistem em comercializar nestas zonas.

Tempo

Multimédia