Sociedade

Discussão entre irmãos acaba em tragédia devido a herança

André da Costa |

O assassinato de um jovem de 19 anos, no bairro Prenda, distrito urbano da Maianga, província de Luanda, com golpes de faca na barriga, desferidos pelo irmão um ano mais velho, durante uma discussão sobre a partilha de uma casa deixada pelos pais, está entre os mais de 100 crimes ocorridos em todo o país na passagem de ano.

O Ministério do Interior garantiu uma quadra festiva tranquila com a mobilização de efectivos de todos os órgãos operativos
Fotografia: José Soares | Edições Novembro

A informação foi avançada ontem à comunicação social pelo porta-voz do Posto de Comando Principal de Segurança à Quadra Festiva, comissário Caetano Quiar, quando divulgava o pré-balanço da transição do ano.
Emanuel Isanove perdeu a vida uma hora depois da entrada do novo ano, na sequência do ataque do irmão que, no calor da discussão, desferiu sucessivos golpes com uma faca. A morte do irmão foi imediata.
No bairro Mira Ngola, município do Lubango, um menor de nove anos morreu ao cair num rio. O menor pastava gado com amigos quando se dirigiu a uma  lavra, onde o grupo abriu um curral de bois, uma brincadeira que provocou a saída de várias cabeças de gado.
A proprietária, quando se apercebeu do sucedido, foi atrás do grupo de crianças, tendo a vítima na fuga tropeçado e caído no rio, onde morreu por afogamento. Em Cabinda, um falso polícia foi detido quando tentava extorquir dinheiro a um cidadão da República Democrática do Congo, tendo este denunciado, o que deu origem à detenção do indivíduo. Um cidadão foi detido na província do Zaire, por ter sido encontrado com uma viatura roubada na província de Luanda. Ainda na província do Zaire, um outro cidadão foi detido por posse de 30 metros de cabos eléctricos retirados de postes de iluminação pública.
A Polícia Nacional apreendeu, em Luanda, nove armas de fogo, duas das quais são do tipo AKM, e 500 litros de gasóleo na fronteira do Luvo, província do Zaire, que teriam como destino a República Democrática do Congo. Em Luanda, foram detidos ainda três presumíveis autores de 11 roubos de viaturas.

Acidentes de viação


O número de acidentes de viação reduziu no país, em comparação com o balanço da passagem de ano de 2017, uma realidade resultante do aconselhamento feito pela Polícia Nacional que, frequentemente, adverte  automobilistas a absterem-se de consumir bebidas alcoólicas se conduzirem.
Da meia noite às 12h00 de ontem, foram registados 28 acidentes de viação, menos 13 que em igual período do ano passado, que provocaram cinco mortos, menos dois que em 2017, e 34 feridos, menos 13 que em 2017.
A Polícia Nacional montou, em todo o país, mais de 13 mil patrulhas, sendo mais de quatro mil apeadas, 472 automóveis e 173 patrulhas motorizadas, e mais de 100 esquadras móveis.
Quando falava da natureza dos acidentes registados, o comissário Caetano Quiar disse ter havido sete atropelamentos, que provocaram dois mortos e cinco feridos, oito choques entre veículos automóveis e velocípedes, com 18 feridos, e três despistes com dois mortos e cinco feridos.
No município de  Caimbambo, em Benguela, o capotamento de uma viatura provocou um morto e três feridos e a causa do acidente foi  o mau estado técnico do veículo.
A via expressa, em Luanda, registou quatro acidentes de viação com um morto e um ferido. As províncias com maior número de acidentes de viação foram as de Luanda, com seis, Benguela, com cinco, e Huambo e Lunda-Sul com três acidentes cada uma.
Foram aplicadas 144 multas por infracções ao Código de Estrada e apreendidas 11 viaturas, 56 motociclos, 44 cartas de condução, 22 livretes, quatro títulos de registo de propriedade e 10 guias. Na Estrada Nacional número 100 foram instalados dois radares, que detectaram 11 condutores que conduziam em excesso de velocidade. Na província de Luanda, seis pessoas foram detidas por condução sob efeito de álcool, nas imediações do Embarcadouro do Mussulo.

Criminalidade no país

A nível nacional foram registados 107 crimes, mais 13 que em 2017, com 79 esclarecidos, mais 18 que no ano passado, e 94 detidos, mais 27 em comparação com 2017.
No rol de crimes estão 29 ofensas corporais, mais nove que em 2017, com 42 detidos, 20 roubos,  menos nove que no ano passado, com 18 detidos. Estão também 31 furtos, mais oito em comparação com 2017, com 25 pessoas detidas, e três homicídios voluntários, mais três em comparação com o balanço do período homólogo do ano passado, com duas pessoas detidas.
As províncias com mais crimes registados foram as de Luanda, com 19, menos 13 em relação ao ano passado, Huíla, com 12 crimes, mais cinco, Huambo, com 11 crimes, mais 10, e Benguela com oito crimes, mais quatro.

Serviço de Protecção Civil


O Serviço de Protecção Civil e Bombeiros registou 14 ocorrências, menos três que no ano passado, que provocaram dois mortos e 22 feridos, sendo 19 em acidentes de viação, com vítimas encarceradas, e três por agressão física. No rol de ocorrências estão sete incêndios, registados em Luanda, Zaire, Uíge, Bié e Cuando Cubango.

Tempo

Multimédia