Sociedade

Ensino Superior Público tem vinte e sete mil vagas

As 78 instituições de ensino superior legalmente reconhecidas e em funcionamento têm, para este ano académico, 154.023 vagas para novos estudantes, estando o maior número de vagas nas instituições académicas privadas.

Centenas de candidatos acorrem diariamente ao Campus da UAN para se inscreverem
Fotografia: Domingos Cadência | Edições Novembro

Num documento, enviado ontem ao Jornal de Angola, o Ministério do Ensino Superior, Ciência Tecnologia e Inovação informa que, das 78 instituições de ensino superior existentes no país, 24 são públicas e 54 privadas.
As instituições de ensino superior privadas têm abertas 126.186 vagas, o que corresponde a 81,9 por cento do total de vagas, enquanto as instituições públicas têm apenas 27.837 vagas, o que corresponde a 18,1 por cento. 
O documento ressalta que, comparativamente ao ano académico de 2018, há, este ano, um aumento de 12,73 por cento da capacidade das instituições de ensino superior em absorver novos estudantes.
O aumento, de acordo com o documento, está concentrado nas instituições de ensino superior privadas, devido à entrada em funcionamento de novas instituições académicas, mantendo-se estabilizado o número de instituições de ensino superior públicas.
O maior número de vagas está nas áreas das Ciências Sociais, Humanas, Políticas e da Comunicação, com 82.125, correspondente a 53 por cento, aparecendo depois as áreas das Ciências (Exactas, Naturais, Agrárias, do Ambiente e da Saúde), que têm 20.240 vagas, o que corresponde a 13 por cento.
A área das Engenharias e Tecnologias tem 30.722 vagas (33 por cento) e a das Ciências da Educação abriu 18.886 vagas, sendo o equivalente a 12 por cento do total de vagas disponíveis no ensino superior, para este ano lectivo.
O Ministério do Ensino Superior Ciência Tecnologia e Inovação publicou, no final do ano passado, uma lista das instituições académicas em situação legal e os respectivos cursos, uma decisão que visa permitir à sociedade tomar conhecimento dos estabelecimentos de ensino superior legalmente reconhecidos.
Numa palestra sobre “O papel do Provedor de Justiça na defesa dos estudantes na sua relação com as instituições de ensino superior”, realizada em Outubro último pela Provedoria de Justiça em parceria com o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), o secretário de Estado do Ensino Superior, Eugénio da Silva, assegurou que, em 2019, não vão existir no país universidades a funcionar de forma ilegal nem cursos ministrados sem reconhecimento das autoridades.


Tempo

Multimédia