Sociedade

Estrada Funda Kifangondo em mau estado

Hélder Pereira

O estado avançado de degradação do troço Funda-Kifangondo, na estrada nacional 100, tem dificultado a circulação de viaturas e bens, situação que preocupa as autoridades administrativas do município de Cacuaco, que alegam ser um assunto que lhes transcende.

Estado da estrada dificulta a circulação de pessoas e bens
Fotografia: João Gomes | Edições Novembro

O administrador municipal de Cacuaco, Augusto José, disse que a reabilitação do troço Funda-Kifangondo é da responsabilidade das estruturas centrais, recordando que o traçado encontra-se em avançado estado de degradação, o que implica a sua recuperação.
Augusto José, que falava à imprensa durante uma jornada de campo efectuada a algumas zonas da circunscrição, prometeu remeter o assunto ao Governo Provincial de Luanda para, junto do Instituto Nacional de Estrada (INEA) e do Fundo Rodoviário, se dar solução a esta via, considerada de grande importância.
“Não queremos intervir e fazer gastos de recursos financeiros com trabalhos paliativos, por se tratar de uma estrada nacional que depende das estruturas centrais”, disse o administrador municipal, que se mostrou insatisfeito com o actual estado do mercado de Kifangondo que, devido ao seu mau funcionamento, re-gista falta de clientes.
Na sua visita de campo, o administrador de Cacuaco passou pela Escola 4052, onde constatou a interrupção de aulas devido à inundação provocada por águas residuais de um supermercado. Para a resolução do problema, prometeu manter um encontro com os responsáveis do empreendimento nos próximos dias.
Ao longo do percurso, o administrador avistou-se com um grupo de indivíduos que lavam viaturas à beira do rio Zenza, uma situação que considerou preocupante, tendo em conta que a área está reservada a camiões cisternas que retiram deste local água para distribuir aos munícipes.
Para pôr fim a esta prática, Augusto José indicou um outro local para a lavagem de viaturas, no sentido de evitar-se a contaminação da água do rio e prometeu responsabilizar os cidadãos que não acatarem as orientações.

Tempo

Multimédia