Sociedade

Estudantes expõem produtos tecnológicos

Rodrigues Cambala

Mais de cem produtos de criação tecnológica vão ser expostos, a partir de amanhã, no átrio do Instituto Médio de Telecomunicações (ITEL), em Luanda, pelos estudantes finalistas e empresas convidadas.

Estudantes do ITEL já foram premiados com medalhas nas feiras da Alemanha e Israel
Fotografia: José Cola | Edições Novembro


O director do ITEL, André Pedro, disse que não vai contar com expositores vindos de outras províncias, estando a feira aberta apenas a estudantes do referido instituto médio.
Anualmente, o Instituto Médio de Telecomunicações promove uma feira. Esta será a  nona edição. Com termo previsto para sábado, o evento é realizada sob o lema “Inovar e Empreender com as Tecnologias de informação e Comunicação Rumo ao Desenvolvimento Sustentável”.
“Entendemos que toda esta inovação desenvolvida pelos nossos alunos pode conduzir para criação de empresas, pois temos intenção de criar uma incubadora de empresa”, salientou o director.
A feira conta com o apoio do Ministério das Telecomunicações e Tecnologias de Informação.
O ITEL tem 225 finalistas em exames e prevê lançar mais de 70 por cento destes para o mercado de trabalho.
Apesar de alguns alunos enveredarem para o empreendedorismo, o instituto tem contado com a oferta de vagas para estágio das empresas Infrasat, Brolaz e outras. Os mais aplicados acabam por ser enquadrados nestas empresas.
“Na verdade o estágio não tem sido para todos os alunos”, informou André Pedro, para acrescentar que a feira vai premiar os melhores trabalhos.
Todos os anos, o Instituto Médio de Telecomunicações encaminha cerca de 20 alunos para estágios nas empresas e ministérios, como da Defesa, Relações Exteriores e Interior.
O ITEL conta com três áreas de formação, designadamente electrónica, telecomunicações, informática e sistema de multimédia.
A feira vai ser prestigiada com as presenças dos ministros das Telecomunicações e Tecnologia de Informação e da Educação, respectivamente, José Carvalho da Rocha e Cândida Teixeira, além do director Nacional para o Ensino Técnico Profissional.
O Ministério das Telecomunicações e Tecnologias de Informação apoia a feira com a oferta de computadores para os melhores expositores, enquanto que a empresa Brolaz garante à formação de três meses de especialização aos melhores inventores.
Os melhores expositores vão ainda contar com uma bolsa de estudo para a formação superior no Instituto Superior de Tecnologia de Informação e Comunicação (ISUTIC). Entre os projectos a serem expostos constam os de automação residencial, industrial, spot publicitários luminosos, agricultura, internet ligado a todas as coisas.
O director do ITEL, André Pedro, justificou que o convite das empresas serve para que os projectos dos alunos não fiquem apenas no papel e se olhe para  produção das necessidades locais.
“Temos de nos alinhar às empresas. Os nossos projectos não avançam na prática por uma questão cultural. As empresas não têm cultura de ir às escolas para trazer desafios. Nós, escola, agora é que estamos a provocar o mercado”, disse, sublinhando que os projectos na feira são colectivos e individuais.
André Pedro disse que até agora não têm apoio do Governo para agregar as criações à prática. “Estamos a trazer as entidades e, por via disso, fazer com que olhem para os projectos dos estudantes”.
Lembrou que estudantes do ITEL já foram premiados com medalhas na Alemanha, no ano passado,  e em Israel, há dois anos.  
O Instituto Nacional de Telecomunicações (ITEL) tem os laboratórios apetrechados, professores capacitados e, por via disso, atribui prémios para os estudantes que apresentam as melhores invenções, com vista a estimular o surgimento de novos criadores.
Segundo o director, O ITEL, como instituto do ramo técnico profissional, tem dotado os seus estudantes de práticas suficientes, para que no final da sua formação possam apresentar projectos eficazes e importantes para a sociedade.

Tempo

Multimédia