Sociedade

Europa aprova redução da venda de antibióticos

O Parlamento Europeu apelou ontem à redução do consumo de antibióticos na União Europeia, de modo a limitar o desenvolvimento de bactérias resistentes.

Fotografia: Edições Novembro

Com uma larga maioria de 589 votos a favor, e apenas 12 contra, os eurodeputados, reunidos em sessão plenária em Estrasburgo (França), aprovaram um texto não vinculativo que insta a Comissão Europeia e o Conselho Europeu (Estados-membros) a “limitarem a venda de antibióticos por parte dos profissionais de saúde e a suprimir toda a incitação (financeira ou de outro tipo) à prescrição de antibióticos”.
O documento recomenda a difusão de mensagens de sensibilização para “promover uma mudança de atitude que conduza a uma utilização responsável dos antibióticos e encorajar os pacientes a respeitarem as recomendações prescritas pelos profissionais médicos”.
O Parlamento Europeu considera ainda que as instâncias comunitárias devem intensificar os esforços para melhor recolher e transmitir dados de casos de resistência aos antibióticos e que devem criar incentivos para a investigação de novas substâncias alternativas.
“Se nada for feito, a resistência antimicrobiana pode causar mais mortes do que o cancro, de agora até 2050”, preconiza a relatora do tex-to, a eurodeputada austría-ca Karin Kadenbach, que pede uma abordagem “ho-lística” da saúde humana e animal.
A resistência aos antibióticos, causada principalmente pelo uso excessivo em humanos e animais, é responsável por cerca de 25 mil mortes anuais na União Europeia, de acordo com o Parlamento Europeu.

Tempo

Multimédia