Sociedade

Executivo está a investir muito na saúde ocular

Victória Ferreira

O secretário de Estado da Saúde para a Área Hospitalar, Leorando Europeu Inocêncio, disse ontem, em Luanda, que está em curso um processo de aquisição de equipamentos para as cirurgias não só de cataratas, mas também para outras intervenções de foro oftalmológico.

Novos equipamentos para tratamento das vistas serão adquiridos
Fotografia: Alberto Pedro | Edições Novembro


Leonardo Europeu Inocêncio falava durante o primeiro encontro nacional de oftalmologia, realizado sob o lema: "Unidos pela saúde ocular", promovido pela Ordem dos Médicos de An-gola. Referiu que o Ministério da Saúde está preocupado em responder às inquietações de saúde ocular da população, que têm vindo a aumentar todos os dias.
O Instituto Nacional de Oftalmologia, o centro de Benguela e outras instituições que realizam cirurgia de alta complexidade em oftalmologia, ainda precisam de maior investimento em tecnologia e em recursos humanos, para corresponderem às distintas situações, declarou na ocasião o governante.
Apontou a cirurgia por favermultificação, um investimento que deve ser estendido a todas as instituições e não apenas à habituais, bem como a subvenção de medicamentos para o tratamento do glaucoma.
O Instituto Oftalmológico Nacional, em Luanda, recebe mensalmente 4500 pacientes para consultas de cataratas, glaucomas e retina, cujos casos têm vindo a aumentar desde 2014, tendo este ano sido já atendidos 27.000 doentes, numa estrutura muito pequena.
Segundo a directora do Instituto Oftalmológico Nacional, Luísa Paiva, muitos casos podiam ser evitados, como as cataratas, que chegam num estado avançado. A ametropia é a principal doença que leva as pessoas a solicitarem os serviços do instituto.

Tempo

Multimédia