Sociedade

Governador preocupado com as obras paralisadas

Augusto Panzo| Cacuaco

O governador da província de Luanda pediu celeridade na conclusão das obras de hospitais e outras unidades afins, com vista a melhorar a assistência sanitária à população.

Governador de Luanda
Fotografia: Eduardo Pedro | Edições Novembro

Sérgio Luther Rescova, que visitou ontem os municípios de Cacuaco e de Viana, manifestou-se preocupado com a paralisação das obras.
O governante começou a visita de campo em Cacuaco, onde constatou o estado de reabilitação do hospital da vila e as obras de construção dos hospitais do Mayombe e do Sequele.
Na obra do Mayombe, constatou que os trabalhos estão parados há cinco anos, razão pela qual solicitou a contratação de outra empresa de construção para dar sequência às obras, visto não constar do orçamento do presente ano.
Quanto à construção do Hospital do Sequele, as obras estão bem encaminhadas, apesar de algumas alterações no desenho da infra-estrutura, como a construção de espaços que possam albergar os acompanhantes dos doentes, de maneira a adequá-la à realidade angolana.
No município de Viana, o governador visitou as obras dos hospitais dos Mulenvos e do Km 12, ambos no Distrito Urbano da Estalagem, cujos trabalhos estão num ritmo avançado, se comparados aos de Cacuaco. Mas, ainda assim, Sérgio Luther Rescova solicitou celeridade aos empreiteiros. A visita culminou no Distrito Urbano do Zango, município de Viana, onde pôde, igualmente, inspeccionar os hospitais do Capapinha, da Fesa e do Zango III, obras que, mesmo depois de concluídas, foram alvo de vandalismo por não terem sido entregues às autoridades sanitárias.
No final da visita, os directores municipais da Saúde de Cacuaco e de Viana, respectivamente João Chicoa e Alberto Rosa, exprimiram gratidão pela visita do governador e lamentaram a carência de recursos humanos.
“Ficámos muito satisfeitos com a visita do senhor governador, ouvimos algumas explicações técnicas e penso que o objectivo é exactamente o de concluir algumas obras iniciadas e que estavam paralisadas. Esta é a maior preocupação manifestada pelo governador”, referiu o director da Saúde de Cacuaco.
Segundo o responsável sanitário, cerca de 900 doentes procuram diariamente os serviços em Cacuaco.

Tempo

Multimédia