Sociedade

Guardas envenenados recuperam do coma

Fernando Neto | Mbanza Kongo

Os quatro elementos da segurança, que sobreviveram ao assalto, ocorrido na dependência do Banco de Comércio e Indústria, em Mbanza Kongo, província do Zaire, já recuperaram do estado de coma em que se encontravam.

Mais de setenta e três horas depois do assalto que vitimou, por envenenamento, um dos seguranças, os sobreviventes continuam sob observação médica, no hospital provincial de Mbanza Kongo. Os quatro guardas que ainda se queixam de tonturas e fraqueza, já conseguem locomover-se e falar sem dificuldades.
Contactado pelo Jornal de Angola, no banco de urgência do Hospital Provincial do Zaire, em Mbanza Kongo,  Pedro Vasco, de 41 anos, um dos guardas, contou que depois de ter abandonado o posto foi à casa buscar a refeição.
De regresso ao serviço, Pedro Vasco, segurança da loja dos registos, juntou-se aos quatro colegas no pátio do BCI, local habitual para as refeições.
Nesse dia, Pedro Makiesse, segurança do BCI, também juntou-se aos quatro colegas com a sua refeição. E os guardas de três estabelecimentos vizinhos partilharam a comida e a bebida, uma garrafa de Tangawissi, de fabrico caseiro.Antes da refeição, o guarda da Loja do Registo Civil, Pedro Vasco, disse que advertira os colegas para que tomassem a refeição apenas, 45 minutos depois de beberem a Tangawissi, por ser uma bebida muito forte.  Após a refeição, os cinco guardas começaram a sentir-se mal e minutos depois, desfaleceram, tendo um deles, que prestava serviços a um restaurante, ter encontrado a morte.

Tempo

Multimédia