Sociedade

Homem violou duas filhas menores e uma está grávida

André da Costa

Um guarda de uma empresa privada de segurança, de 45 anos, foi detido, domingo último, pela Polícia Nacional, por supostamente ter mantido, reiteradas vezes, relações sexuais com duas filhas menores, com idades entre 14 e 16 anos, tendo como consequência do incesto deixado grávida de dois meses a mais velha.

Um pormenor do município do Cazenga, onde um indivíduo foi detido por violar, repetidas vezes, duas filhas menores
Fotografia: Vigas da Purificação | Edições Novembro

De acordo com a fonte da Polícia Nacional, os abusos sexuais ocorreram no interior da residência no bairro da Somague, Distrito Urbano do Kalawenda, município do Cazenga, onde o acusado vive com a esposa e quatro filhos, dos quais três meninas.

O acusado começou inicialmente por abusar sexualmente a filha mais velha, reiteradas vezes, tendo estendido os apetites sexuais a outra menor, que denunciaram aos familiares, uma situação que deixou descontentes vários membros da linhagem. Segundo a Polícia Nacional, a menor não chegou a dar à luz, porque os familiares, de ambas as partes, entenderam levar a menina para uma unidade sanitária, onde interromperam a gravidez, mediante uma intervenção médica especializada.
O Jornal de Angola soube junto de uma fonte do Serviço de Investigação Criminal que o crime ocorreu há quatro anos, mas alguns familiares só agora denunciaram o caso, mediante queixa-crime apresentada numa das esquadras de Polícia do bairro Kalawenda.
O acusado foi apresentado, ontem, à comunicação social, no Comando Municipal do Cazenga da Polícia Nacional, juntamente com os detidos no âmbito da “Operação Kutululuka”, levada a cabo pelas forças da ordem, para devolver o sentimento de segurança aos cidadãos. De acordo com a Polícia Nacional, o acusado mostrou-se arrependido pelo crime de incesto e violência sexual, numa altura em que até à altura da detenção vivia ainda na mesma casa com as filhas abusadas sexualmente.
A Polícia Nacional deteve igualmente um outro cidadão, de 43 anos, por supostamente abusar sexualmente reiteradas vezes a enteada menor de 13 anos. De acordo com a Polícia Nacional, as agressões sexuais ocorriam na ausência da mãe, situação que motivou a menina a deixar a residência e viver durante cinco meses na residência de uma tia.
Foi aí onde a vítima ganhou coragem e contou as cenas de abusos sexuais aos tios que, de imediato, denunciaram o homem junto de uma esquadra da Polícia Nacional, o que culminou na sua detenção.
O comandante municipal do Cazenga da Polícia Nacional, subcomissário João Karique, explicou que o índice de criminalidade naquela zona de Luanda é baixo, sendo que as forças da ordem desenvolvem diariamente operações para manter a ordem e tranquilidade públicas.
João Karique, acentuou que a Polícia Nacional tem registado casos de rixas entre grupos rivais de jovens com recurso a objectos cortantes, como catanas, facas, cacos de garrafas e machados.

Tempo

Multimédia