Sociedade

Imagem de Fátima chega hoje

Adelina Inácio |

A imagem peregrina de Nossa Senhora de Fátima chega hoje a Luanda, proveniente do Santuário de Fátima, em Portugal, devendo a sua segunda vinda ao país, mais de trinta anos depois de ter ocorrida a primeira, ser feita em homenagem a Frei Maiato, já falecido e seu devoto.

Membros da comissão organizadora da peregrinação falaram dos preparativos da vinda da imagem de Fátima ao país
Fotografia: José Cola | Edições Novembro

A imagem de Fátima chega às primeiras horas da manhã e vai permanecer no Aeroporto Internacional “4 de Fevereiro” ate às 17h00, devendo uma hora depois, às 18h00, ser levada em procissão para a Paróquia de Nossa Senhora de Fátima, (ex-São Domingos), onde permanece até ao dia 23 deste mês.
A peregrinação da imagem de Nossa Senhora de Fátima vai decorrer até ao dia 24 sob o lema “A exemplo de Frei Maiato, nossa devoção por Nossa Senhora de Fátima hoje e sempre”.
A vinda a Angola da imagem peregrina de Nossa Senhora de Fátima foi motivo da realização, ontem, de uma conferência de imprensa, concedida por frei Firmino Kakulo e frei António Mbuco e pela madre Emiliana Mbundo.
Firmino Kakulo, porta-voz dos Frades Menores Capuchinhos de Angola, confirmou estarem agendadas várias actividades, entre as quais duas missas diárias, onde fiéis vão rezar pela expansão da Rádio Ecclesia, pelas famílias, pelas crianças, pelos doentes e pela juventude angolana.
No dia 21, os peregrinos vão realizar uma noite de oração e  catequese. No domingo, o arcebispo metropolitano de Luanda, Dom Filomeno Vieira Dias, preside à eucaristia solene da peregrinação.
Firmino Kakulo lembrou, na conferência de imprensa, que é a segunda vez que a imagem de Fátima vem a Angola, tendo a primeira ocorrida em finais dos anos 80, altura em percorreu todas as dioceses do país. Sem adiantar o número de fiéis que vão acompanhar a presença da imagem de Fátima em Angola, frei Firmino Kakulo declarou que a peregrinação vai contar com centenas de fiéis vindos de outras dioceses do país.
A vinda da imagem reflecte a consolidação da paz no país, em decorrência do facto de os bispos de Angola terem consagrado, em 1985, a Nação angolana a Nossa Senhora e, ao longo dos anos, os fiéis católicos terem clamado pela paz, alcançada há 15 anos. “Fomos rezando e alcançamos a paz”, acentuou o frade, para quem “este é o momento para agradecer o dom da paz alcançado pela intervenção de Maria”.
Firmino Kakulo garantiu que, para o êxito da peregrinação, a comissão organizadora está a trabalhar com o Governo da Província de Luanda, a Administração do Distrito Urbano do Rangel, a Polícia Nacional, o Serviço Nacional de Bombeiros e Protecção Civil e a Delegação Provincial da Saúde.

Homenagem a frei Maiato

A imagem de Nossa Senhora de Fátima vem a Angola em homenagem a frei José Benjamim Maiato, que morreu este ano, em Lisboa, aos 94 anos. O padre deslocou-se a Portugal para realizar o sonho de visitar, a 13 de Maio, o Santuário de Fátima na data da celebração do centenário das aparições de Maria aos três pastorinhos, na Cova da Iria.
José Benjamim Maiato trabalhou na Paróquia de Fátima durante anos, recordou o porta-voz dos Frades Menores Capuchinhos de Angola, que considerou o homenageado “uma figura conhecida e servo de Deus, que teve muita devoção por Nossa Senhora de Fátima”.
Firmino Kakulo salientou que  frei Maiato quis “ardentemente” viajar para Portugal e participar no centenário das aparições de Nossa Senhora de Fátima.
Os frades, acrescentou o porta-voz, conhecendo a devoção de José Maiato por Nossa Senhora de Fátima tomaram a iniciativa de trazer a imagem peregrina a Angola, a fim de que milhares de fiéis católicos tenham a oportunidade de fazer a sua peregrinação, “não em Fátima, em Portugal, mas sim na Paróquia de Fátima, em Luanda”.
Frei Firmino Kakulo falou da homenagem que vai ser feita durante a estada da imagem de Fátima no país. Vários fiéis vão aproveitar o momento para dar testemunhos sobre as graças alcançadas por intercessão do frei Maiato. “Muitos fiéis conseguiram empregos, filhos e a cura de várias doenças por intercessão de frei Maiato”, acentuou Firmino Kakulo, para quem “esta é uma oportunidade e um grande momento para os féis apresentarem o testemunho das boas obras e as graças alcançadas por intercessão do frei Maito para que sejam conhecidas por todos”.

Imagem venerada


Frei António Mbuco, da comissão organizadora, esclareceu algumas polémicas à volta da adoração da imagem de Nossa Senhora.  António Mbuco afirmou que os católicos não adoram imagens, mas  veneram-nas. O objectivo principal, acrescentou, é rezar por intercessão de Nossa Senhora e apresentar as suas preocupações e não adorá-la.

Tempo

Multimédia