Sociedade

Instituições públicas têm menos vagas disponíveis

Augusto Cuteta |

As instituições do ensino superior públicas vão absorver, neste ano académico, apenas 20,5 por cento dos estudantes que se matriculam pela primeira vez, por disporem de um total de 27 mil e567 vagas, apontam dados do Ministério de tutela.

Faculdade de Direito da UAN vai receber novos alunos
Fotografia: Mota Ambrósio | Edições Novembro

O Ministério do Ensino Superior, Ciência, Tecnologia e Inovação refere que a maior percentagem de vagas está concentrada nas instituições de ensino superior privadas, que dispõem de 106.851 lugares, o que representam 79,5% das vagas neste sistema de educação.
O ministério realça que, para este ano académico 2018, foram criadas 134.418 vagas nas 72 instituições de ensino superior legalmente reconhecidas e em funcionamento no país, das quais 24 públicas (33%) e 48 privadas (66,7%).
Quanto à capacidade de oferta formativa, a Região Académica I, integrada pelas províncias de Luanda e Bengo, com 82.385 vagas (61,3%), é a que tem maior espaço para candidatos, sendo 7.145 nas instituições públicas e 75.240 nas privadas.
Em relação à zona com menor capacidade de oferta, o ministério aponta a VIII Região Académica, que inclui as províncias do Cuando Cubango e Cunene, onde as instituições públicas do ensino superior representam apenas 0,5%, ou seja, 635 vagas disponíveis.
Uma nota de imprensa, assinada por Ferreira Manuel Fragoso, do Gabinete de Comunicação Institucional e Imprensa do Ministério em referência, avança que as áreas de maior oferta de vagas são as das ciências sociais, políticas e da comunicação, com 48.578 lugares, representando 36,14%.
As áreas das ciências exactas, consideradas deficitárias, contam apenas com 245 vagas, cerca de 0,18%, e as ciências naturais e do ambiente, estão com 500 lugares, o que representa 0,37%.

Tempo

Multimédia