Sociedade

Interior confirma parceria com empresa construtora

O Ministério do Interior confirmou, ontem, ter rubricado um acordo com a empresa Jefran, para a construção de residências sociais para os trabalhadores e assim ajudar a solucionar os problemas que enfrentam, ligados à habitação.

Vista de um lote de casas construídas pela empresa Jefran
Fotografia: Paulo Mulaza | Edições Novembro

De acordo com Simão Milagres, director de Comunicação Institucional e Imprensa do Ministério do Interior, de há um tempo a esta parte, esta instituição governamental, por via da Caixa de Protecção Social, estabeleceu uma relação contratual com a imobiliária Jefran. Desta “resultou a assinatura de um contrato para a construção de 1.200 casas”.
Simão Milagres reagia a denúncia segundo a qual a Jefran faz pagamento de cerca de 30 por cento de “comissão”, do valor que a empresa recebe pela construção das habitações, ao ministro do Interior, Ângelo da Veiga Tavares. A acusação é da publicação digital Club-K.
Nos esclarecimentos que fez, o responsável pela área de Comunicação do Ministério do Interior apontou que, numa primeira fase, foram construídas 60 moradias, no bairro Benfica.
“Com base nos resultados positivos do primeiro contrato, foi avançada a intenção de serem construídas mais 1.200 habitações, no projecto denominado Jericó, das quais foram, até ao momento, entregues 43 moradias”, disse o responsável.
Entretanto, devido a dificuldades na aquisição de materiais de construção, em consequência da escassez de divisas, a empresa teve dificuldades de honrar o que tinha prometido, segundo Simão Milagres.
“Por isso, desmentimos, categoricamente, qualquer relação entre o ministro do Interior e o PCA da Jefran. De tal forma que a relação existente é entre a empresa e a Caixa de Protecção Social”, esclareceu Simão Milagres, que garantiu, ainda, ser prioridade do Ministério a satisfação dos trabalhadores.
“Partimos para essa solução também para ajudarmos a resolver os problemas de habitação dos trabalhadores do Ministério do Interior”, garantiu.
 Em reacção à denúncia, Francisco da Silva, PCA da Jefran, negou-a, igualmente, afirmando tratar-se de um “falso problema”.

Angop
A Agência Angolana de Notícias (ANGOP) foi, por seu lado, citada pela Jefran, na matéria publicada na edição de ontem, como estando entre o leque de instituições com a qual a empresa tem contrato para a construção de habitações.
De acordo com nota enviada ao Jornal de Angola, a agência noticiosa afirma que “iniciou apenas negociações nesse sentido, num processo que ainda não foi concluído” e que “não assinou nenhum acordo com a Jefran para a construção de habitações para os seus trabalhadores”.
A Angop esclarece ainda que os acordos são assinados individualmente, entre a Jefran e o trabalhador, “cabendo à empresa empregadora, mediante declaração expressa do empregado, cativar na fonte a prestação mensal acordada, que se destina à imobiliária”.

Tempo

Multimédia