Sociedade

João Melo destaca papel da imprensa pública

Em menos de um ano de governação do Presidente João Lourenço, “os órgãos públicos não são apenas líderes de audiência, como contribuíram para a rápida e inequívoca mudança de reputação do país, afirmou na Cidade da Praia (Cabo Verde), o ministro da Comunicação Social.

Fotografia: José Cola|Edições Novembro

João Melo, que discursava no Encontro das Empresas Públicas de Comunicação Social da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP), organizado pela Direcção Geral de Informação e pela Rádio-Televisão de Cabo Verde e associa o mérito aos actos do próprio Presidente da República, nomeadamente o combate à corrupção.
O encontro inclui uma conferência sobre a auto-regulamentação da media pública subordinada ao tema “Importância e limites da Auto-Regulação nos Media Públicos: Equilibrar Direitos e Responsabilidades no contexto da pós-moralidade”.
O ministro da Comunicação Social reiterou, na comunicação, que o objectivo do sector que dirige é fazer dos media públicos angolanos “não apenas os de maior alcance em termos de expansão e audiência, mas, sobretudo, os mais sérios e credíveis do mercado”.
“Hoje, a perspectiva é converter os órgãos tutelados pelo Estado em genuínos órgãos públicos, abertos à todos, dando espaço e voz aos diferentes segmentos da sociedade, proporcionando o debate plural e contraditório”,  sublinhou.
Acrescentou que a imprensa pública, em Angola, está obrigada a continuar a desempenhar um papel preponderante nas próximas décadas. João Melo deixou bem claro que os órgãos tutelados pelo Estado precisam, em democracia, de adequar a linha editorial, em cada momento, à correlação de força histórica, estabelecida pelos eleitores nas urnas.

Tempo

Multimédia