Sociedade

Lixo e vandalização ameaçam parar os comboios em Luanda

A circulação dos comboios do Caminho de Ferro de Luanda (CFL), no troço Bungo/Baia, em Luanda, poderá paralisar em breve, devido à quantidade de lixo naquela linha férrea e à vandalização dos comboios.

Fotografia: DR

A preocupação foi transmitida pelo presidente do CFL, Júlio Bango, após uma visita na quarta-feira àquele troço, que liga os municípios de Luanda, Cazenga e Viana e onde semanalmente morrem entre quatro a seis pessoas ao tentar atravessar a linha férrea.
Júlio Bango disse à imprensa que é necessário to-mar medidas urgentes para se reverter o actual quadro, porque a eventual paralisação do troço terá como consequência o aumento do tráfego rodoviário, além de dificultar a circulação de pessoas e mercadorias ao longo do troço.
O excesso de lixo, construções anárquicas junto ao caminho-de-ferro, das quais algumas ligadas ao muro de vedação da linha férrea, destruição da vedação de betão e metal, existência de mercados e lavras e a retirada da brita da linha é o panorama actual do CFL naquele troço, disse Júlio Bango. O responsável defendeu o realojamento dos habitantes junto da linha férrea, para se pôr cobro à situação, salientando que o troço entre os bairros Boavista/Dimuca/Cipal, nos distritos urbanos do Sambizanga e Rangel, num percurso de cerca de 40 quilómetros, é o mais crítico.
A juntar-se a estes constrangimentos, segundo Júlio Bango, está também a vandalização, por alguns moradores, dos comboios, através do arremesso de pedras para aquele meio de transporte durante a sua passagem ao longo do percurso.
Com uma extensão de 424 quilómetros, o Caminho de Ferro de Luanda liga as províncias de Luanda e Malanje.

Tempo

Multimédia