Sociedade

Lobito regista 609 casos positivos de HIV/Sida

Jesus Silva | Lobito

Dos sete mil e 510 cidadãos testados contra HIV/Sida, no município do Lobito, província de Benguela, 609 foram diagnosticados positivos e 289 encaminhados para o Tratamento Anti-Retroviral (TARV), durante o primeiro semestre deste ano.

Fotografia: Arão Martins |Huíla | edições novembro

A informação foi avançada à imprensa pela supervisora do Programa de HIV/Sida, Arlete Amaral, ao referir-se à situação epidemiológica da doença a nível do município.
A responsável, que falava no acto de lançamento da campanha “Nascer Livre para Brilhar”, realizado no dia 20, recordou que, no que concerne ao aconselhamento e TARV infantil, no primeiro semestre de 2018 foram registados 621 crianças, destas 34 deram positivo e 14 foram encaminhadas para o tratamento.
No mesmo período de 2019 foram testadas 1.577 crianças, das quais 23 foram diagnosticadas positivas e destas 25 estão em tratamento, tendo sido recebidas nesse período dois menores de outros municípios, o que totalizou a cifra de 25 crianças infectadas.
Arlete Amaral disse que em relação às mulheres grávidas, no primeiro semestre de 2018 foram testadas nas consultas pré-natais 8.781, das quais 138 foram diagnosticadas positivas e admitidas no Programa de Prevenção de Transmissão Vertical (PTV).
Em 2019, no mesmo período, foram atendidas 7.0 26 e testadas 8.104 grávidas em consultas pré-natais, o que correspondem a 100 por cento. Destas 142 deram positivo e foram admitidas em PTV . A supervisora do Programa de HIV/Sida disse que no cômputo geral, nos casos que envolvem as crianças, grávidas e adultos, no primeiro semestre de 2018, foram testadas 14.360 utentes, dos quais 781 foram diagnosticados positivos, que implica uma taxa de positividade de 5, 4 por cento. Dos casos que deram positivos, prosseguiu, 430 foram admitidos ao tratamento e, no mesmo período de 2019, foram testados 18. 961, destes 663 foram diagnosticados positivos, perfazendo uma taxa de positividade de 3,5 por cento, sendo que 366 estão admitidos no programa do tratamento.

Taxa de transmissão
A administradora-adjunta para a Área Política e Social e da Comunidade, Maria Kalesso Firmino, disse que a campanha visa reduzir a taxa de transmissão de mãe para filho e, consequentemente, a morte causada pela doença.
“A preocupação da Primeira-Dama da República prende-se, essencialmente, na mobilização da sociedade para que toda as mulheres, em situação de gestação, possam efectuar o teste de HIV/Sida, para que os filhos nasçam livre da doença”, disse.
Maria Kalesso Firmino considerou um compromisso o combate contra à doença assumido pelo Governo, através do Ministério da Saúde, que conta com o empenho dos profissionais do sector e todos actores da sociedade.
Para a responsável, a mensagem está a ser passada, de modo que chegue a todos os integrantes da sociedade civil, sobretudo às igrejas, organizações femininas, instituições públicas e privadas, porque a questão do HIV/Sida é da responsabilidade de todos.

Consultas pré-natais

O director municipal interino da Saúde informou que, a nível nacional, a campanha iniciou a 1 de Dezembro de 2018, sob liderança da Primeira-Dama da República, Ana Dias Lourenço, no sentido de erradicar o VIH/Sida no seio das crianças, referindo que, para tal, as mães devem ir aos hospitais para as consultas pré-natais, cumprindo com os protocolos sempre que lhes for diagnosticada a doença.
Segundo o responsável, os quatro eixos estratégicos para a redução da transmissão do HIV/Sida de mãe para filho no município do Lobito são, fundamentalmente a prevenção primária da doença, em particular nos adolescentes e jovens, prevenção de mãe para filho indo a consulta pré-natal, tratamento pediátrico e áreas transversais com o combate ao estigma.

 

Tempo

Multimédia