Sociedade

Luanda produz quantidade de lixo capaz de gerar energia

Rodrigues Cambala

A segunda Conferência de Engenharia e Arquitectura da Universidade Agostinho Neto (UAN) concluiu que a quantidade de resíduos sólidos, produzidos em Luanda, permite a produção de energia alternativa, a partir do aproveitamento de biogás gerado no aterro sanitário.

Resíduos sólidos em Luanda têm potencialidades para alimentar indústria de reciclagem
Fotografia: Contreiras Pipa | Edições Novembro

Sob o lema “A engenharia e a arquitectura na solução dos problemas da sociedade”, a conferência apontou que o material reciclável em Luanda tem potencialidade para alimentar uma indústria de reciclagem.
O comunicado final acentuou que as cidades devem ser encaradas de forma inclusiva e sustentável, incentivando o uso de materiais de construção não-convencionais.
Os investigadores propõem que as intervenções dos patrimónios devem ter em conta o seu estado de degradação. Indicaram ainda a possibilidade de utilização do declive para abastecimento de água no Kilamba, Viana e Cazenga, sem recurso a bombas elevatórias. Ao admitirem a ausência de certificação para a escolha selectiva do aço, os engenheiros concluíram que o aproveitamento hidrográfico do Gove é o mais importante na bacia do rio Cunene, devido ao efeito regularizador do seu caudal, capaz de garantir melhor distribuição de água para a população.
A conferência, realizada de 24 a 26 deste mês, teve como objectivo dar a conhecer os trabalhos científicos desenvolvidos pelos departamentos de Arquitectura e de Engenharia Civil, Electrotécnica, Informática, Mecânica, Minas e Química, bem como os trabalhos realizados nos cursos de mestrado de Engenharia do Ambiente.
A decana da Faculdade de Engenharia da Universidade Agostinho Neto, Alice Ceita e Almeida, disse que os debates contaram com a presença de representantes dos ministérios e empresas com vista a uma melhor utilização da produção científica da academia e permitir o enquadramento dos finalistas dos cursos de engenharias e de arquitectura no mercado de trabalho.
“Um dos objectivos da faculdade é tornar públicos os resultados da produção científica para partilhar e incentivar a cultura da investigação científica”, disse, para acrescentar que, na conferência, foram partilhadas experiências e técnicas nas áreas de arquitectura e das engenharias.
Alice Ceita e Almeida afirmou que a qualidade dos debates revelaram o potencial da faculdade de engenharia na solução dos problemas da sociedade.
A Faculdade de Engenharia da Universidade Agostinho Neto pretende realizar, em breve, um encontro para apresentar as recomendações da conferência às entidades afins para a sua implementação.   
As empresas Carmon e Catoca expuseram, durante os três dias da conferência, os seus serviços no átrio do Pavilhão de Arquitectura da Faculdade de Engenharia.

Tempo

Multimédia