Sociedade

Mais de 60 mil documentos abandonados no SIAC

César Esteves

Um total de 61.990 documentos de cidadãos nacionais encontram-se abandonados no  Serviço Integrado de Atendimento ao Cidadão (SIAC), do Distrito Urbano de Talatona, em Luanda, constatou o Jornal de Angola, no local.

Cidadãos não se importam em levantar os documentos
Fotografia: Angop

Do grosso de documentos em posse da instituição à espera dos titulares para levantamento, constam mais de 20 mil cartas de condução e igual número de livretes, 12 mil cartões de contribuinte, mais de oito mil títulos de propriedade e 1.990 bilhetes de identidade.
O director-geral do SIAC, Anselmo Monteiro, apontou a falta de cultura para circular com documentos originais como uma das principais causas que leva o cidadão a não se importar em levantar os documentos nas instituições depois de os tratar.
“O cidadão precisa de ter a cultura de circular com os documentos originais e não com os provisórios, como tem acontecido. Temos de inverter esta forma de pensar e sermos mais responsáveis com os nossos documentos”, afirmou.
Anselmo Monteiro informou que vai ser publicada no  site’s do SIAC, do Ministério da Justiça e  de outras instituições a lista com os nomes dos proprietários dos documentos. “Por vezes, passa-se a ideia de que nada se faz. É verdade que estruturalmente precisamos de muito mais. Temos feito o que podemos para ir ao encontro dos anseios dos cidadãos”,  assegurou.
Um cidadão que falou ao Jornal de Angola sob anonimato disse não corresponderem à verdade as declarações avançadas pelo director-geral do SIAC.
De acordo com o cidadão, em causa está o mau atendimento dos funcionários que demonstram falta de paciência para procurarem os documentos, sempre que os utentes solicitam. “Em 2016, solicitei a segunda via da minha Carta de Condução no SIAC, emitiram um verbete e pediram para regressar dentro de seis meses e passado esse tempo o documento não estava pronto.”

Tempo

Multimédia